Sons da Escrita 298

1 de Outubro de 2010

Segundo programa do ciclo Agostinho da Silva

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Agostinho da Silva

Poeta

O que escrevo de versinho
é na verdade o que sinto
mas porque procuro a forma
de qualquer maneira minto

o que eu quero era poder
dar naquilo que escrevesse
de tal modo o que me sou
que a todos apreendesse

sem os prender no entanto
deixando-os livres de ser
mas que sentissem então
o que eu fosse sem dizer

ser poema não poeta
é que vejo como um alvo
se o não for para que vivo
mas se for me vivo e salvo.


Do what you want, be what you are (D. Hall & J. Oates)

Do what you want girl, but be what you are
There ain't no right er wrong way
Just a play from the heart
Lt ain't a sign of weakness to give yourself away
Because the strong give up and move on
While the weak, weak give up and stay

So do what you want to do
But be what you are
Do you believe in hot cars
Leather bars, or movie stars
Is that what's real
Payin' dues, Earth Shoes, Chicago blues
Is that how you feel?
You can change, but you can't conceal
What's deep inside you
Lt's your game, lt's your deal

So do what you want to do
But be what you are
Do you believe in hot cars
Leather bars, or movie stars
Is that what's real
Payin' dues, Earth Shoes, Chicago blues
Is that how you feel?
You can change, but you can't conceal
What's deep inside you
It's your game, lt's your deal


Agostinho da Silva

Sonho (1)

Ontem sonhei que sonhava
e me mantinha desperto
contente por me escapar
de um mundo que me era incerto

seguro porque voltava
ao que é lógico e real
à vida que firme sabe
do que é bem e do que é mal

quando tornei a dormir
já rompia a madrugada
e na clara luz não tinha
certeza alguma de nada


Sonho (2)

Teria passado a vida
atormentado e sozinho
se os sonhos me não viessem
mostrar qual é o caminho

umas vezes são de noite
outras em pleno de sol
com relâmpagos saltados
ou vagar de caracol

quem os manda não sei eu
se o nada que é tudo à vida
ou se eu os finjo a mim mesmo
para ser sem que decida.


Waiting for a dream (Rufus Wainwright)

There are places I remember
All my life though some have changed
Some forever not for better
Some have gone and some remain
All these places had their moments
With lovers and friends I still can recall
Some are dead and some are living
In my life I've loved them all

But of all these friends and lovers
There is no one compares with you
And these memories lose their meaning
When I think of love as something new
Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life I love you more

Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life I love you more
In my life I love you more


Agostinho da Silva

Vida (1)

Três votos fará aquele
que não ser tolo decida
e venha deles primeiro
o de obediência à vida

será o segundo a vir
o de não querer ser rico
o muito passe de largo
o pouco lhe apure o bico

não violar-se a si próprio
como principal o veja
alto ou baixo gordo ou magro
assim nasceu assim seja.


Vida (2)

Tudo pode vir do nada
várias tintas várias telas
esta vida em que vivemos
é apenas uma delas

mil outras no mesmo espaço
mil outras em hora igual
rivalizam no sonhar
o que pensamos real

e podemos ir além
neste quadro que vos traço
tempo é tempo imaginado
em que se limita o espaço.


Vida (3)

Vos direi o que é o tal
alicerce em que me afundo
todos somos limitados
não o é porém o mundo

não ireis pois por ninguém
e por mim menos que nada
a vida vos seja guia
consultada e meditada

ou quem sabe se sonhada
ou quem sabe se inventada


In my life (Sean Connery & George Martin)

There are places I remember
All my life though some have changed
Some forever not for better
Some have gone and some remain
All these places had their moments
With lovers and friends I still can recall
Some are dead and some are living
In my life I've loved them all

But of all these friends and lovers
There is no one compares with you
And these memories lose their meaning
When I think of love as something new
Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life I love you more

Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life I love you more
In my life I love you more


Nada fiz a contragosto
tudo foi um prazer meu
e nada pedi à vida
do que a vida tanto deu.

Para tantos existir
é uma queixa pegada
terem de ganhar a vida
quando afinal lhes foi dada.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Mark Hewer, Budi Sielbert, David Arkenstone

Ligações
Daryl Hall & John Oates, Rufus Wainwright, Sean Connery & George Martin

Textos:
Agostinho da Silva

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012