Sons da Escrita 059

22 de Abril de 2006

Segundo programa do ciclo Albano Martins

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Albano Martins

Ânfora (Albano Martins)

Regressas às vezes, quando é noite, ao lugar
onde sempre te demoras.
Levas ao ombro uma ânfora a que sorveste os
sumos dia-a-dia nela derramados: água e vinho,
o leite das amoras e dos figos, o licor almiscarado
das cerejas e das ginjas. E a sede, essa substância
de todas a mais viva.
Queres agora encher novamente o vaso.
A água e o vinho secaram na haste e na fonte,
a ânfora está quebrada e os dedos já não seguram sequer os cacos que apenas sobrevivem.


Broken pieces (Clannad) 

Broken pieces everywhere,
I stilled my mind, and found I care
Running on the morning tide,
Something you would say to me.

We drank the waters of delight,
We played the games of wrong and right.
Did we understand
They're just footsteps in the sand?

Oh long dreaming, find my tears
I could love you, all the years.
There are times like today
The wind will blow in a gentle way.

Mark it down in frozen glass
Lied to me that i could win.
So many ways to share a love
With words and touch we promised much.

Do we understand
The footsteps in the sand?

I believe.
I believe too easily.

Oh long dreaming find my tears
I could love you all the years.
Here I stand still the same
I guess this showcase changed the name.

Hard to know who plays the fool,
Never looking back on years
I wonder now witch way to face
I catch a vision of this place.

Did we understand
The footsteps in the sand?

Albano Martins

Pequenas coisas (Albano Martins)

Falar do trigo e não dizer o joio. Percorrer em voo raso os campos sem pousar os pés no chão. Abrir um fruto e sentir no ar o cheiro a alfazema .
Pequenas coisas, dirás, que nada significam perante esta outra, maior: dizer o indizível. Ou esta: entrar sem bússola na floresta e não perder o rumo. Ou essa outra, maior que todas e cujo nome por precaução omites. Que é preciso, às vezes, não acordar o silêncio.


Your silence is your song (Steve Winwood)

Close your eyes and you'll do very well
No more lies and no more fairy tales
Hanging out, out on the street
You have no place left to go
If the whole world passes you by
Don't you cry

Close your eyes and don't feel anything
Lullabies are all that I will sing
Stay right here, wait for the night
Let it come down over you
You've seen all you wanted to see
Stay with me

Chorus:
When there's no more right from wrong
You still have the night so long
And the silence is your song
And you know where you belong

Close your eyes, the white owl's on the wing
Hear her cries, and take the sleep she brings
When the clouds fill up the sky
And the shadows hide the moon
Sleep will give you all that is left -
Emptiness


Albano Martins

Um novo firmamento (Albano Martins)

Gostarias de decidir por ti.
O sol nunca se atrasa. A noite chega sempre a horas certas.
Tu adiantaste o relógio com receio de adormecer mais
cedo ou de não chegar a tempo à festa do dia seguinte.
Não te perguntaram se querias vir e alguém marcou, sem teu consentimento, a hora da chegada. Gostarias de ser tu a marcar a da partida.
Precisas de inventar um relógio onde o tempo não decline e um leito onde o sol não adormeça. Um firmamento onde tu e ele sejam as únicas estrelas.


New star (Air)

My baby blue is a new star,
In the sky,
The world the world the world the world,
Just for you for nobody else.

Não te esqueças de, ao sair, deixar a porta aberta.
Podes perder a chave e não entrar. Ou podem roubar-ta, o que é pior. Porque são numerosos os ladrões do azul.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Patrick O’Hearn

Ligações
Clannad, Steve Winwood, Air

Textos:
Albano Martins

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012