Sons da Escrita 043

7 de Janeiro de 2006

Primeiro programa do ciclo António Ramos Rosa

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

António Ramos Rosa

Poema de um funcionário cansado (António Ramos Rosa)

A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita
estreita em cada passo
as casas engolem-nos
sumimo-nos
estou num quarto só num quarto só
com os sonhos trocados
com toda a vida às avessas a arder num quarto só
Sou um funcionário apagado
um funcionário triste
a minha alma não acompanha a minha mão
Débito e Crédito Débito e Crédito
a minha alma não dança com os números
tento escondê-la envergonhado
o chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal em frente
e debitou-me na minha conta de empregado
Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
Por que não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu dever?
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço
Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
irmão beijo namorada
mãe estrela música
São as palavras cruzadas do meu sonho
palavras soterradas na prisão da minha vida
isto todas as noites do mundo numa só noite comprida
num quarto só.


I'm so tired (Beatles)

I'm so tired, I haven't slept a wink
I'm so tired, my mind is on the blink
I wonder should I get up and fix myself a drink
No,no,no.

I'm so tired I don't know what to do
I'm so tired my mind is set on you
I wonder should I call you but I know what you would do

You'd say I'm putting you on
But it's no joke, it's doing me harm
You know I can't sleep, I can't stop my brain
You know it's three weeks, I'm going insane
You know I'd give you everything I've got
for a little peace of mind

I'm so tired, I'm feeling so upset
Although I'm so tired I'll have another cigarette
And curse Sir Walter Raleigh
He was such a stupid git.

You'd say I'm putting you on
But it's no joke, it's doing me harm
You know I can't sleep, I can't stop my brain
You know it's three weeks, I'm going insane
You know I'd give you everything I've got
for a little peace of mind
I'd give you everything I've got for a little peace of mind
I'd give you everything I've got for a little peace of mind
(mumbling)


António Ramos Rosa

A pedra (António Ramos Rosa)

Não sei se respondo ou se pergunto.
Sou uma voz que nasceu na penumbra do vazio.
Estou um pouco ébria e estou crescendo numa pedra.
Não tenho a sabedoria do mel ou a do vinho.
De súbito ergo-me como uma torre de sombra fulgurante.
A minha ebriedade é a da sede e a da chama.
Com esta pequena centelha quero incendiar o silêncio.
O que eu amo não sei. Amo em total abandono.
Sinto a minha boca dentro das árvores e de uma oculta nascente.
Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim.
Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido.
Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.
Não sou a destruição cega nem a esperança impossível.
Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra.


As I roved (Brian Kennedy)

As I roved out one bright may morning
To view the meadows and lflowers gay
Whom should I spy but my own true love
As she sat under yon willow tree.
I took off my hat and I did salute her
I did salute her most courteously
When she turned around well the tears fell from her
Saying false young man you have deluded me.
A diamond ring I own I gave you
A diamond ring to wear on your right hand
But the vows you made love you went and broke them
And married the lassie who had the land
If I married the lassie that had the land my love
It's that I'll rue till the day I die
When misfortune falls no man can shun it
I was blindfolded that I'll never deny
Now at night when I go to my bed of slumber
The thought of my true love runs in my mind
When I turn around to embrace my darling
Instead of gold sure it is brass I find
And I wish the queen would call home her armies
From the West Indies, Amerikay, and Spain
And every man to his wedded woman
In hopes that you and I will meet again


António Ramos Rosa

Não posso adiar o amor para outro século (António Ramos Rosa)

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore.
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação.

Não posso adiar o coração.



Don't make me wait (Seal)

Are we tired of feeling blue
Cannot get along with you
Just don’t tell me it's right
Every time we fuss and fight
Yea what I'm really trying to say
Is I won’t be afraid, yea
If you say you’re willing too
Close your eyes and maybe... maybe see it through

But don’t make me wait long
Sounds like a sad song of mine
Every time we meet baby on the street there we go
Always seem to fight why we do I'll never know that
All I can take
‘Cause you ain’t easy
Some can't relate, hell, well that’s life
We get back together, every time

It amazes me to say, yea
I’ve been so trying to find my way, yea, yea,
Closer to you
To love divine is what I'm... I’m gonna do
Yea, What I’m really trying to say yea
Is love won’t deny me, cause everyday is like a new day again,
yea, my friend
Lovin’ till the end yah yea yea yea….

But don’t make me wait long
Sounds like a sad song of mine
Every time we meet baby on the street there we go
Always seem to fight why we do I'll never know that
All I can take
‘Cause you ain’t easy
Some can't relate

Well that's life
[So I dream of
and dream of
and dream of]

Hell baby that's life
[And dream of your life
And dream of
And that’s how we make love]

Well that's life yes, yea
[And we dream of
and dream of
and dream of]

Baby, baby, baby, baby
[And dream through the night]
When we kiss through all of this,
I just can't wait to see you again

But don’t make me wait long
[Don’t make me wait long]
Don't make me wait, wait, wait too long again
Every time we meet baby on the street there we go
Always seem to fight why we do, I'll never know that
All I can take
‘Cause you ain’t easy
Some can't relate, hell
Well that’s life, we get back together, every time


Na grande confusão
deste medo
deste não querer saber
na falta de coragem
ou na corgem de
me perder me afundar
perto de ti tão longe
tão nu
tão evidente
tão pobre como tu
oh diz-me quem sou eu
quem és tu?

Porque não soube merecer a glória, a mais suave
de me deitar a teu lado
e que do sangue a palavra
abolisse a diferença entre o meu corpo e a minha voz
porque te perdi
não sei quem sou


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
John Kerr

Ligações
Beatles, Brian Kennedy, Seal

Textos:
António Ramos Rosa

Edição e voz:
José-António Moreira

© José-António Moreira 2012