Sons da Escrita 044

14 de Janeiro de 2006

Segundo programa do ciclo António Ramos Rosa

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

António Ramos Rosa

Escrevo-te com o fogo e a água (António Ramos Rosa)

Escrevo-te com o fogo e a água. Escrevo-te
no sossego feliz das folhas e das sombras.
Escrevo-te quando o saber é sabor, quando tudo é surpresa.
Vejo o rosto escuro da terra em confins indolentes.
Estou perto e estou longe num planeta imenso e verde.

O que procuro é um coração pequeno, um animal
perfeito e suave. Um fruto repousado,
uma forma que não nasceu, um torso ensanguentado,
uma pergunta que não ouvi no inanimado,
um arabesco talvez de mágica leveza. 

Quem ignora o sulco entre a sombra e a espuma?
Apaga-se um planeta, acende-se uma árvore.
As colinas inclinam-se na embriaguez dos barcos.
O vento abriu-me os olhos, vi.


Writing to reach you (Travis)

Every day I wake up and it's Sunday
Whatever's in my eye won't go away
The radio is playing all the usual
What's a Wonderwall anyway
Because my inside is outside
My right side's on the left side
Cause I'm writing to reach you now but
I might never reach you
Only want to teach you
About you
But that's not you
It's good to know that you are home for Christmas
It's good to know that you are doing well
It's good to know that you all know I'm hurting
It's good to know I'm feeling not so well
Because my inside is outside
My right side's on the left side
Cause I'm writing to reach you now but
I might never reach you
Only want to teach you
About you
But that's not you
And you know it's true
But that won't do
Maybe then tomorrow will be Monday
And whatever's in my eye should go away
But still the radio keeps playing all the usual
And what's a Wonderwall anyway
Because my inside is outside
My right side's on the left side
Cause I'm writing to reach you now but
I might never reach you
Only want to teach you
About you
But that's not you
And you know it's true
But that won't do
And you know it's you
I'm talking to


António Ramos Rosa

Da grande página aberta do teu corpo (António Ramos Rosa)

Da grande página aberta do teu corpo
sai um sol verde,
um olhar nu no silêncio de metal,
uma nódoa no teu peito de água clara.

Pela janela vejo a pequenina mão
de um insecto escuro
percorrer a madeira do momento intacto;
meus braços agitam-te como uma bandeira em brasa,
ó favos de sol.

Da grande página aberta
sai a água de um chão vermelho e doce,
saem os lábios de laranja beijo a beijo,
o grande sismo do silêncio
em que soberba cais vencida flor.


(You can't) Turn back the page (Procol Harum)

The night surrounds me
I can't turn back the hands of time
When I look around me
My thoughts are of the lonely kind
Such a game of high stakes
We gambled and then we lost
We were fools to believe
That we could beat the odds 

But the story always ends the same
(You can't turn back the page)
Trying to relive ev'ry moment as it came
(You can't turn back the page)
But it always ends the same
You can't turn back the page 

The night surrounds me
I try and get you off my mind
But still... still it hounds me
If I could see you one more time
In a moment of madness
We gambled and the we lost
Now we live in the shadows
And pay the cost 

And the story always ends the same
(You can't turn back the page)
Trying to relive ev'ry moment as it came
(You can't turn back the page)
But it always ends the same
You can't turn back the page 

The judgement's been set
The jury retired
The court's now in recess
The plea's been denied


António Ramos Rosa

Passagem (António Ramos Rosa)

É onde escuto, agora, a própria casa.
Sou eu que escrevo este poema.
Já onde estou, agora, nada espero.
Ouço o som que vem de estar aqui lembrando,
Isto que sou, agora mesmo, esperando.

É onde eu pouso a mão na terra calma,
Ouvindo quantos anos já vivi,
Mas não aqui nem além, agora, só
Num tempo em que não sou mais que este estar,
Passando sem passar neste deserto.

É onde agora ninguém me vem chamar
e uma outra luta prossegue imponderável.
O tempo vai chegar, mas eu aqui passei
Ou algo em mim passou, quando o final chegar,
Deste sem fim que escuto e sou no seu passar.


Passing time (Clannad)

You can win or lose and be excused
The sudden change of plan
As a __ reality, it's very clear
But a loser always loses in the end
Always in the end

Chorus:
For a long time now
I'm passing time
Still I know somehow
I'll learn to try
I'm passing time

You may ask for gifts, just anyone
The right __
I'm not so sure it's anything at all
For a loser is still losing in the end
Losing in the end

(Chorus twice)

Yes, I am aware of passing time
Without a care in sight
I can feel the changes coming very soon
And a loser won't be losing in the end
Losing in the end

(Chorus)

Passing time
Passing time


Para um amigo tenho sempre um relógio
esquecido em qualquer fundo de algibeira.
Mas esse relógio não marca o tempo inútil.
São restos de tabaco e de ternura rápida.
É um arco-íris de sombra, quente e trémulo.
É um copo de vinho com o meu sangue e o sol.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Jerry Goodman, Alchemorph Soundtracks, King Einstein

Fundos
Inkarnation

Ligações
Travis, Procol Harum, Clannad

Edição e voz:
José-António Moreira

© José-António Moreira 2012