Sons da Escrita 404

21 de Julho de 2012

Primeiro programa do ciclo Carlos Nejar

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Lunalva

Se quiserem saber quem sou
- Não sei quem sou
Só sei que em mim
A sombra e a luz
São vultos
Que se buscam e se amam
Loucamente

Se quiserem saber do meu destino
- Não sei do meu destino
- Não sei do meu nome
Só sei daquela sede
Imensa sede
Que ainda não foi saciada

Se quiserem saber donde venho
- Não sei donde venho.
Talvez venha do vento
Do deserto
Do mar
Ou do fundo das madrugadas

Não
Não me amem tão depressa
Não me compreendam tão depressa
Não me julguem tão fácil
Por favor
Não me julguem tão mesquinho
Tão quotidiano

O pão que trago comigo
- Não é pão
É fogo
O vinho que trago comigo
- Não é vinho
É sangue

E eu vos afirmo
- Todos hão-de beber
Do Fogo e do Sangue


You know I’m right (David Gilmour)

You can scream and shout with all your might
Dig in your heels and hold on tight
Either you are wrong or I am right

You speak the lines you've overheard
The ring of truth in every word
You know you're right and that's absurd

We really seem to have a problem here
But it is you or me
Whatever I have going through my mind
You always have to disagree
It's just a matter of opinions
It's not a simple fact
Why don't you try to see the other side
Don't turn your back

Now we survey this silent battleground
Recriminations all around
And still no compromise is found

Now we really have a problem
And it won't just disappear
And all the friends we thought we could rely on
Just want to whisper in my ear

It's just a matter of opinions
You know you keep both in sight
Why should you bother with the other side
When you know yours is right.


Escreverei Aurora

Escreverei aurora nos navios,
nos bosques, nas manhãs dentro do vento.
Escreverei aurora no horizonte,
nas tardes, nos silêncios, nas areias.

Escreverei aurora sobre os mapas,
nos cisnes, nos pássaros, nos rios.
Escreverei aurora sobre os homens,
aurora nas mulheres, nos meninos,
aurora sobre os olhos, sobre os braços.
Aurora está contigo.

Escreverei aurora com o nome de minha mãe
ou uma árvore na infância.
Escreverei aurora no murmúrio das águas,
das palavras.

Escreverei aurora de mansinho
como se diz: amada.
Escreverei aurora.


L’Aurora (Eros Ramazzotti)

Io non so se mai si avvererà
Uno di quei sogni che uno fa
Come questo che
Non riesco a togliere dal cuore
Da quando see'è

Forse anche questo resterà
Uno di quei sogni che uno fa
Anche questo che
Sto mettendo dentro a una canzone
Ma già che see'è
Intanto che see'è
Continuerò
A sognare ancora un po'

Sarà sarà l'aurora
Per me sarà così
Come uscire fuori
Come respirare un'aria nuova
Sempre di più
E tu e tu amore
Vedrai che presto tornerai
Dove adesso non ci sei

Forse un giorno tutto cambierà
Più sereno intorno si vedrà
Voglio dire che
Forse andranno a posto tante cose
Ecco perché
Ecco perché
Continuerò
A sognare ancora un po'
Uno dei sogni miei
Quello che see'è in fondo al cuore non muore mai
Se ci hai creduto una volta lo rifarai
Se ci hai creduto davvero
Come ci ho creduto io

Sarà sarà l'aurora
Per me sarà così
Sarà sarà di più ancora
Tutto il chiaro che farà

Sarà sarà l'aurora
Per me sarà così
Sarà sarà di più ancora
Tutto il chiaro che farà


Amar contigo

Como é bom amar contigo
sem saber que a clemência dos astros
nos protege.

Nós viremos a sós,
entre os dias e os dias.

E não haverá sustos
nem rumores de erva.

E tudo ficará intacto no tempo.
Nós ficaremos intactos e puros
no tempo.
E o tempo é uma cidade nova
que se ergue entre nós dois,
uma cidade iluminada
entre dois corpos,
uma cidade deslumbrada
e nos dois mortos,
intactos no tempo,
intactos na morte.

Como é bom amar contigo
sem tempo na morte,
amar contigo na morte,
no campo, na noite, na morte,
com a força dos ventos jovens
e das carícias novas.

Como é bom amar contigo
entre as árvores, as folhas e as folhas,
sabendo que a morte nos mantém
intactos e puros,
sem a inclinação das grandes noites,
sem a inclinação dos anjos e dos astros.
Sabendo que a morte nos reserva
o íntimo da noite.

Como é bom amar contigo.


Still in love with you (Gary Moore)

I think I'll just fall to pieces
If I don't find something else to do
This sadness never ceases
Woman, I'm still in love with you

My head, it keeps on reeling
It's got me in a crazy spin
Oh, Darling, darling, darling, darling
Is this the end?

Still in love with you

So people say time has a way of healing
And it can dry all the tears from your eyes
Oh but darling they don`t tell you
About this empty feeling
And I can not disguise it

After all that we've been through
I try my best but it's no use
I`ll always keep on loving you
Is this the end?

Still in love with you

Now that it's all over
Woman, there's something I think you should know
Baby, baby, you might think it over
Just one more time before you go

Call on me baby
If there's anything I can do for you
Call on me baby, baby
Help me see it through

I'm still in love with you


Dentro de mim há pássaros que cantam
E eu me sinto cansado de partir
Sou homem — mas não sei para onde ir
Sou pássaro — não sei por onde me espantam


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Secret Garden

Ligações
David Gilmour, Eros Ramazzotti, Gary Moore

Textos:
Carlos Nejar

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012