Sons da Escrita 088

10 de Novembro de 2006

Primeiro programa do ciclo Carlos Poças Falcão

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Carlos Poças Falcão

Hino (Carlos Poças Falcão)

Dar espaço, ver ao longe as amizades a brilhar
estelarmente. Movem-se, enlaçam os seus ritmos
e em gravitação vão abrindo um firmamento.

Dar espaço, para visitação e crescimento.
Deixarmo-nos levar pela cintura magnética
às noites uns dos outros.

É por contentamento que os sinais são emitidos
por vezes de tão longe, mas logo tão presentes
que a densidade aumenta e despertam novos sóis.

Porque é muito espaçosa esta arte dos amigos:
não tocam no rebordo de uma natureza frágil
senão para curar e afagar.

Se há um turbilhão eles não se distanciam
conhecem que é o tempo a querer desmanchar o espaço
e por isso dão-se espaço e apuram-se mais tempo.

Se há nuvens, deixam-nas passar.
Rodam bem por cima em orbitação diurna
e quando as nuvens passam estão onde amam estar.


Friends to go (Paul McCartney) 

I've been waitin on the other side, for your friends to leave
So I don't have to hide, I prefer they didnt know
So I've been waiting on the other side, for your friends to go

I've been sliding down a slippery slope, I've been climbing
Up a slowly burning rope, but the flame is getting low
I've been waitin' on the other side, for your friends to go

You never need to worry about me, I'll be fine on my own
Someone else can worry about me
I've spent alot of time on my own
I've spent alot of time on my own

I've been waitin till the danger past, I don't know
How long the storm is gonna to last, if we're gonna carry on
I'll been waiting on the other side, till your friends are gone

So tell me what I wanna know
I'll be waiting on the other side, for your friends to go

Someone else can worry about me
I've spent alot of time on my own
I've spent alot of time on my own

I've been waiting on the other side
For your friends to leave so I don't have to hide
I prefer they didnt know
So I've been waiting on the other side, for your friends to go

I've been waiting on the other side


Carlos Poças Falcão

Todos os dias viajo para a culpa (Carlos Poças Falcão)

Todos os dias viajo para a culpa.
É lá onde trabalho, movendo e removendo
juízos e vergonhas, vergando-me nas margens
do rio tenebroso. Depois liberto as faces
lavadas nas passagens, estendo inteiro ao sol
o manto, a envoltura, a translúcida mortalha

que ilude o meu rubor. Viajo para a culpa
e regresso ao fim dos dias, a tempo dos crepúsculos
e do corpo de repouso. Já amo esta viagem
que segura o meu amor, a inteligência canta
todo o dia de canseiras. Assim trabalho ao sol
fazendo por que a vida não me seja inimputável.


When all the laugher dies in sorrow (Chicago)

When all the laughter dies in sorrow
And the tears have risen to a flood
When all the wars have found a cause
In human wisdom and in blood
Do you think they'll cry in sadness
Do you think the eye will blink
Do you think they'll curse the madness
Do you even think they'll think

When all the great galactic systems
Sigh to a frozen halt in space
Do you think there will be some remnant
Of beauty of the human race
Do you think there will be a vestige
Or a sniffle or a cosmic tear
Do you think a greater thinking thing
Will give a damn that man was here


Carlos Poças Falcão

Agora escuta (Carlos Poças Falcão)

Agora escuta uma sagrada culpa
transforma-se em amor. Não é um sentimento
ou sombra da razão, mas antes a nobreza
que a inteligência ama, um rigor na imperfeição.

Contempla as suas linhas nas suas colunas
a nitidez de estela erguida ao lado esquerdo
com a lei e os avisos mais livres faiscando.

Move-se ao temor se a existência engana
lança um sobressalto se o coração se ilude.
Seu arco não concede descanso a asas fracas
ela que é abismo e voo sobre o abismo.
Ouvi-la nada pesa. O que faz peso é negá-la.


Listen to your heart (Roxette)

I know there's something in the wake of your smile
I get a notion from the look in your eyes yea
You've built a love but that love falls apart
Your little piece of heaven turns too dark

Listen to your heart when he's calling for you
Listen to your heart there's nothing else you can do
I don't know where you're going and I don't know why
But listen to your heart before you tell him goodbye

Sometimes you wonder if this fight is worthwhile
The precious moments are all lost in the tide yea
They're swept away and nothing is what it seems
The feeling of belonging to your dreams 

Listen to your heart when he's calling for you
Listen to your heart there's nothing else you can do
I don't know where you're going and I don't know why
But listen to your heart before you tell him goodbye


And there are voices that want to be heard.
So much to mention but you can't find the words.
The scent of magic, the beauty that's been
When love was wilder than the wind. 

Listen to your heart when he's calling for you
Listen to your heart, there's nothing else you can do
I don't know where you're going and I don't know why,
But listen to your heart before you tell him goodbye.

Listen to your heart mhmmmmm
I don't know where your going and I don't know why
Listen to your heart before you tell him goodbye


Não sei como se adivinham
tempestades. No fim de uma estação
as borboletas morrem e o vento quebra
em varandas altas. É por trás dos vidros
que nos defendemos contra todas as surpresas.
Morremos de antemão. E já sob trovoada
assombra-nos o voo dos pássaros à chuva.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Will Ackerman

Ligações
Paul McCartney, Chicago, Roxette

Textos:
Carlos Poças Falcão

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012