Sons da Escrita 322

16 de Janeiro de 2011

Primeiro programa do ciclo Cristovam Pavia

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Cristovam Pavia

Pequena canção

Espero por ti
Tão cheio de paz
Que quando vieres
Te merecerei...

Na encruzilhada
Do outono e da névoa
As falhas doiradas
Perdem-se na névoa…

É doce esta esperança
Comovida e fresca…
Mais doce só teu
Sorriso à chegada…

Espero por ti
Em estado de graça…
Quando vieres
Te merecerei.


E apesar de tudo volto à minha ternura de menino
E a luz e os sons vêm como há muito não vinham!
Anda no ar aquele sentido que as coisas emanavam
Nem triste nem alegre, e tão alegre e tão triste!

Mas eu não sou o mesmo e perco-me nesse mundo
Tão íntimo!, como se já não fosse meu…
Atrai-me… e depois sinto-me estranho…

Com que sorriso magoado, como mãe que consola,
As esquinas dos prédios e as árvores me dizem:
“És o mesmo…”
Com que magoada doçura a luz doira o horizonte
Como o doirava há tanto…
Só é de agora a mágoa.


Your song (Al Jarreau)

It's a little bit funny this feeling inside
I'm not one of those who can easily hide
I don't have much money but boy if I did
I'd buy a big house where we both could live

If I was a sculptor, but then again, no
Or a man who makes potions in a travelling show
I know it's not much but it's the best I can do
My gift is my song and this one's for you

And you can tell everybody this is your song
It may be quite simple but now that it's done
I hope you don't mind
I hope you don't mind that I put down in words
How wonderful life is while you're in the world

I sat on the roof and kicked off the moss
Well a few of the verses well they've got me quite cross
But the sun's been quite kind while I wrote this song
It's for people like you that keep it turned on

So excuse me forgetting but these things I do
You see I've forgotten if they're green or they're blue
Anyway the thing is what I really mean
Yours are the sweetest eyes I've ever seen

And you can tell everybody this is your song
It may be quite simple but now that it's done
I hope you don't mind
I hope you don't mind that I put down in words
How wonderful life is while you're in the world

I hope you don't mind
I hope you don't mind that I put down in words
How wonderful life is while you're in the world


Cristovam Pavia

Réquiem

(ao menino morto, eu próprio) 

A tarde declina com uma luz ténue.
Estou grave e calmo.
E não preciso de ninguém
Nem a luz da tarde me comove: entendo-a.
Até as imagens me são inúteis porque contemplo tudo.

Os ventos rodam, rodam, gemem e cantam
E voltam. São os mesmos:
Como os conheço desde a infância!
E a terra húmida das tapadas da quinta…
O estrume da égua morta quando eu tinha seis anos
Gira transparente nesta brisa fria…
(Na noite gotas de orvalho sumiam-se sob as folhas das ervas…)

Oh, não há solidão nas neblinas de inverno
Pela erma planície…

E foi engano julgar-te morto e tão só nas tapadas em silêncio…
Agora sei que vives mais
Porque começo a sentir a tua presença, grande como o silêncio…
Já me não vem a vaga tristeza do teu chamamento longínquo.
Já me confundo contigo.


You are alive (Crosby, Stills & Nash)

When you know there's someone
You can talk to
And she's waiting by the door
When you get home
With her hand she'll caress
Away your worries

You are alive
I hope you know
That you're alive

When you're waiting for her standing
By the doorway
And your heart is laughing as
She turns the key
Here it comes again, always
The same feeling

You are alive
And so is she

Do you know
What life would be without her?
Do you know
What loneliness can be?
You'll die by yourself
Only with someone else-why?

When it's all a game and
There is no pleasure
And you're just like all the rest
Cannot see
And you're feeling like there's
No more point in searching

Are you alive?
How could it be

Are you alive?
I'd like to see
If you're alive.


Cristovam Pavia

Se fizer um pequeno esforço

Se fizer um pequeno esforço levanto-me e caminho no ar
Porque o meu Deus dá-me forças já não minhas.
Se fizer mais um pequeno esforço tudo se transformará em verdadeiro prazer
E em cada gota de suor, em cada brilho frio nas gotas de suor
Rodará um mundo fresco como um leque que se abre.
Se fizer um último esforço será a vertigem, talvez a deliciosa vertigem.
E depois não interessa o que virá.
Creio neste amor angustiado.


Slave to love (Bryan Ferry)

Tell her I'll be waiting
In the usual place
With the tired and weary
There's no escape
To need a woman
You've got to know
How the strong get weak
And the rich get poor

Slave to love

You're running with me
Don't touch the ground
We're the restless hearted
Not the chained and bound
The sky is burning
A sea of flame
Though your world is changing
I will be the same

Slave to love
And I can't escape
I'm a slave to love

Can you help me?

The storm is breaking
Or so it seems
We're too young to reason
Too grown up to dream
And the spring is turning
Your face to mine
I can hear your laughter
I can see your smile

Slave to love
And I can't escape
I'm a slave to love


Entre vós, minhas árvores, me firmo
Neste chão, com íntima paciência.
Entre vós as palavras desgastadas
São raízes e pétalas lavadas
… E a solidão deste silêncio é minha.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Calverley, Dan Gibson, Yanni

Ligações
Al Jarreau, Crosby, Stills & Nash, Bryan Ferry

Textos:
Cristovam Pavia

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012