Sons da Escrita 408

18 de Agosto de 2012

Segundo programa do ciclo Jordi Virallonga

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

A cidade que fomos

Debaixo de algum destes tectos,
das nuvens, talvez de outras palavras,
com o teu silêncio e a minha boca prostrada:
noutras linhas de luz, noutros olhos,
sei que habitas ainda.

Procuro-te como desde um avião procura
um homem a casa onde volta,
como um casal a causa
da sua intensa submissão ao rito,
ou à vida, que só depois souberam
ia ser um mau assunto.

Depois de tantos anos juntos
não fica nada que possa explicar-nos,
nem aquele olhar de odiar o que fomos,
de ansiar tanto uma margem, um mar mais nosso,
de amar sempre a crédito sem verificar a dívida.

Como uma revista no montão de jornais,
como milhares de mortos no montão de papéis,
de nada vale tanto amor ganho à força de si próprio.
Creio que fomos uma dose de imanência sem afecto:
negócio fraudulento, por fim rua
que outra rua, por nada, atravessa.

Porém como essas ruas te estou próximo
pedindo piedade a um tigre ferido,
metendo gente em lugares que não existem
e pensando em render-me se não fora
tão extremadamente vulgar e tão humano.

Procuro-te; porque não soube a água
procuro-te na terra, no eco;
mas mais do que tu me importa o rasto,
mais do que o amor a sua arqueologia;
para nos entendermos,
mais o pisar do que o caminho ou o sapato,
mais a terra do que a lama,
não o passado nem o agora nem o futuro:
aquela simetria de memórias:
enigma que oculta a cinza, o que fomos,
o que finalmente és.

Da cidade de luzes e espelhos
parte um sólido reflexo que nos meus olhos triangula o mar.
Já sei que não te importa,
mas essa equidistância forma parte
de um modo de querer que não compreendo,
um modo de ser adjacente ao cheiro dos cachorros,
de ser adjacente à fértil dejecção das imundícies.

Ao girar os olhos e ver
a amplitude desta miséria
soubeste que tinha chegado o momento,
e nenhuma imoralidade responsável podia sustentar a cidade
que fomos,
que já nem intransigência restava para unir o ódio num projecto
usado.

Levaste contigo a evolução dos nomes que tinha aprendido,
mas ao levantar os olhos e ver a plural amplitude da miséria,
por um segundo pensei
que a história foi nossa todo o tempo.


Hometown glory (Adele)

I've been walking in the same way as I did
And missing out the cracks in the pavement
And tutting my heel and strutting my feet
"Is there anything I can do for you dear? Is there anyone I could call?
No, and thank you, please madam, I ain't lost, just wandering"

Round my hometown, memories are fresh
Round my hometown, ooh, the people I've met
Are the wonders of my world, are the wonders of my world
Are the wonders of this world, are the wonders and now

I like it in the city when the air is so thick and opaque
I love it to see everybody in short skirts, shorts and shades
I like it in the city when two worlds collide
You get the people and the government
Everybody taking different sides

Shows that we ain't gonna stand shit
Shows that we are united
Shows that we ain't gonna take it
Shows that we ain't gonna stand shit
Shows that we are united

Round my hometown, memories are fresh
Round my hometown, ooh, the people I've met

Are the wonders of my world, are the wonders of my world
Are the wonders of this world, are the wonders of my world
Of my world, yeah, of my world, of my world, yeah


Crónica de domingo

Num dia como hoje Diego Gomes chegou a Cabo Verde,
não sei se o sabeis,
a equipa de futebol do Turim, duas modistas, um cão,
enfim, o avião inteiro e dois canários despenharam-se em Superga;
com o Shelley saiu ela a navegar,
morreu Tito na antiga Jugoslávia.

Segundo o meu horóscopo haverá triunfos e mulheres,
é triste e haverá amanhã.
O sol levanta-se às sete e põe-se às nove menos dez
a lua chegou às três e cinquenta e três
e está, como eu, em quarto minguante.

Amanhã a Fuenciscla, Tifón e San Demetrio
e também a Almudena na Cuesta de la Vega;
mataram muito, aqui e em toda a parte,
continua a seca e voltas a morrer-nos
cada vez que te nomeamos.
Depois o de sempre: mais baldia espera,
camas feitas, limpeza, crianças velhas.
Não me ri em toda a semana,
estive quase quinta-feira à tarde,
sim, na sexta-feira, ou no sábado, não recordo.
Domingo, é primavera.


Heaven on a sunday (Paul McCartney)

Peaceful, like heaven on a Sunday
Wishful, not thinking what to do
We've been calling it love
But it's a dream were going through

And if I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose

Restful, like Devon on a Monday
Cooling my fingers in the bay
We've been learning a song
But it's a long and lonely blues

If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose

Peaceful, like heaven on a Sunday
Wishful, not thinking what to do
We've been calling it love
But it's a dream were going through

And if I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
You'd be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love

You'd be the one I'd choose
If I only had one love


Fui às palavras ao mercado

Fui às palavras ao mercado,
para que me digam: olá loirinho, olha
que bonito está! foste ao barbeiro?
quanto tempo sem te ver, onde andaste?
e os meninos? devem ter crescido muito.
E a tua· esposa, que diz a tua mulher,
já te deixa vir sozinho ao mercado?
Se fosse eu não te tirava a vista de cima,
mas vê lá o que fazes, que a chamo.

Morreu, ia dizer-lhe,
mas preferi comprar-lhe ovos,
meio frango e um coelho.
A vida surpreendentemente é doce
quando tudo se passa como se o tempo não passasse,
como passa nos contos, na cama,
na expressão dos meus filhos ao dizerem-me que estou feio
ou nas noites que não fecham bruscamente a janela.


Scarborough fair (Simon Garfunkel)

Are you goin' to Scarborough Fair? Parsley, sage, rosemary, and thyme.
Remember me to one who lives there, she once was a true love of mine.

Tell her to make me a cambric shirt (On the side of a hill in the deep forest green).
Parsley, sage, rosemary, and thyme (Tracing a sparrow on snow-crested ground).
Without no seams nor needlework (Blankets and bedclothes the child of the mountain).
Then she'll be a true love of mine (Sleeps unaware of the clarion call).

Tell her to find me an acre of land (On the side of a hill, a sprinkling of leaves).
Parsley, sage, rosemary, and thyme (Washes the grave with silvery tears).
Between salt water and the sea strands (A soldier cleans and polishes a gun).
Then she'll be a true love of mine.

Tell her to reap it in a sickle of leather (War bellows, blazing in scarlet battalions).
Parsley, sage, rosemary, and thyme (Generals order their soldiers to kill).
And gather it all in a bunch of heather (And to fight for a cause they've long ago forgotten).
Then she'll be a true love of mine.

Are you going to Scarborough Fair? Parsley, sage, rosemary, and thyme.
Remember me to one who lives there, she once was a true love of mine.



Nem sequer me disseste o teu nome,
não sei quem dos dois
disse algo, fez o quê;
fazes parte do ser da rua,
de outro homem, do esforço de andar.
Quase nada conheço de ti
e és-me agora a vida.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Dan Gibson

Ligações
Adele, Paul McCartney, Simon & Garfunkel

Textos:
Jordi Virallonga

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012