Sons da Escrita 127

10 de Agosto de 2007

Segundo programa do ciclo Jorge de Sousa Braga

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Jorge de Sousa Braga

A última pincelada (Jorge de Sousa Braga)

Viveu em tempos um pintor que nunca conseguia acabar de pintar uma ave, fosse ela uma cegonha ou uma garça. Quando se preparava para dar a última pincelada, ela levantava vôo.

E o pintor ficava muito tempo ainda a persegui-la com o pincel no céu
azul...


I'll fly for you (Spandau Ballet)

Passion take the wind
and break me from this tie
we're mortals on the earth
oh but God's up in the sky
I haven't got a clue
I haven't got a thing
but what I give to you
is all that I could bring
I'll give you all my time
that's ev 'rything to me
you know my only crime
is this flight of fantasy
because I've nothing else here for you
and just because it's easier than the truth
oh if there's nothing else that I can do
I'll fly for you
Passion take the wind
and break me from this tie
we're mortals on the earth
oh but God's up in the sky
I haven't got a clue
I haven't got a thing
but what I give to you
is all that I could bring
I'll give you all my time
that's ev 'rything to me
you know my only crime
is this flight of fantasy
because I've nothing else here for you
and just because it's easier than the truth
oh if there's nothing else that I can do
I'll fly for you
I'm just an average boy
you're more than an average girl
and when you sing to me the 'sho be doos'
you sing so well
oh don't you know that when I'm under you
I'm overjoyed


Jorge de Sousa Braga

As árvores e os livros (Jorge de Sousa Braga)

As árvores como os livros têm folhas
e margens lisas ou recortadas,
e capas (isto é copas) e capítulos
de flores e letras de oiro nas lombadas.

E são histórias de reis, histórias de fadas,
as mais fantásticas aventuras,
que se podem ler nas suas páginas,
no pecíolo, no limbo, nas nervuras.

As florestas são imensas bibliotecas,
e até há florestas especializadas,
com faias, bétulas e um letreiro
a dizer: «Floresta das zonas temperadas».

É evidente que não podes plantar
no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
Para começar a construir uma biblioteca,
basta um vaso de sardinheiras.


Sons with no words, tree with no leaves (David Crosby)

(song with no words…)


Jorge de Sousa Braga

Era a segunda vez que se fazia ao mar (Jorge de Sousa Braga)

Era a segunda vez que se fazia ao mar. Era a segunda vez que uma traineira o recolhia a dois quilómetros da costa. O cisne é um palmípede que vive na água doce. Vem nos livros. Porque havia um cisne de se fazer ao mar? O seu lugar era ali na água doce. Um lago qualquer com meninos de calção e mamãs a dizerem: Olha um cisne! Era a segunda vez que se fazia ao mar... O guarda do parque foi ameaçado de despedimento. Caso a sua fuga se concretizasse constituiria um lamentável precedente. Imaginem que... Era a segunda vez que se fazia ao mar. Era a segunda vez que uma traineira o recolhia a dois quilómetros da costa.


Swans (Prefab Sprout)

Swans and their partners they stay
Faithful forever or die on the water
Foxes are only good for
Ruffling feathers, leading lambs to the slaughter

Swans - effortlessly beautiful take care !
You ought to be aware of foxes hiding
Go on - there's time for you to sail back to his side
While I forget I ever saw you gliding

Swans and their partners they stay
Faithful forever or die on the water

Swans - effortlessly beautiful take care !
You ought to be aware of foxes hiding
Go on - still time for you to sail back to his side
While I forget I ever saw you gliding

Swans, swans


Há frutos que é preciso
acariciar
com os dedos com
a língua

e só depois
muito depois

se deixam morder.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
William Jackson, Blonker, Máire Breatnach

Ligações
Spandau Ballet, David Crosby, Prefab Sprout

Textos:
Jorge Sousa Braga

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012