Sons da Escrita 008

7 de Maio de 2005

Segundo programa do ciclo Western, Round-up & Country

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

José-António Moreira

Os Cartwright (José-António Moreira)

— Já se vê poeira a levantar, ao longe…
— Devem ser eles…
— Estão a ver aquele desfiladeiro? É por ali que vem a diligência! Quando ela aparecer saltamos-lhe em cima e libertamos a rapariga das garras daquele capanga mal encarado!
— ‘Tá bem! Não há problema! Os tipos nem vão saber de que lado é que estão a ser atacados! Isso é canja de coyote! Mas o que é que vamos fazer com a rapariga?
— Olha! Se for preciso, eu caso com ela…
— Casas com ela?! E para que é que ela queria uma montanha de carne como tu, Hoss? Eu sou o mais velho e, portanto, ela fica para mim!
— Tenho muito respeito por ti, Adam, mas tu já estás fora do prazo! Cá o Little Joe é que fica com a cachopa!
— Meninos! Tenham juízo! Quem fica com a moçoila é aqui o velho Ben! Afinal, vocês precisam é de uma mãe!


It could’ve been me (Billy Ray Cyrus)

I hear you just got married, took a month long honeymoon
A new love smiles at the wedding you cried when you kissed the groom
I got no invitation, I guess the mailman didn't bring it to me
But I see the whole thing in slow motion everynight as I try to sleep

My buddy John said you looked real pretty and you acted like you were in love
He said the preacher asked for objections and he thought about standing up
I told John he must been crazy 'cause you were just about to say I do
He just gave me a wink & said all he could think
was it could've been me with you

It could've been me standing there with you
It could've been me and my dreams comming true
But those dreams move on if you wait too long
It took me till now to see, it could've been me

I don't guess I ever told you that I went out and bought you a ring
I even carry it around in my pocket waitin’ to say the right thing
I pulled it out the other day but the diamond had lost it's shine
Well I know how it feels cause my eyes grow dim
When I think you could've been mine

I know I called just in time a bitt too late
You know dreams move on if you wait too long
It took me till now to see that it could've been me
Standin there with you
It could've been me and my dreams comming true
But those dreams move on if you wait too long
It took me till now to see it could've been me


José-António Moreira

Fenton Town (José-António Moreira)

Fenton Town tinha adquirido, sem custo, a triste fama de ser a cidade mais depravada do Texas. Saloons, casas de jogo, hotéis suspeitos constituiam o essencial desta aglomeração que atraía todos os ‘desperados’ em busca de divertimento ou, simplesmente, de um lugar onde gastassem o seu dinheiro mal ganho…
Não havia escola em Fenton Town, mas é preciso dizer que a cidade estava interdita a menores de dezasseis anos… e como lá não se chegava a velho, toda a população estava na força da idade, o que não impedia o gato-pingado de enriquecer de maneira insolente e, como todos os comerciantes da cidade, pagava uma comissão a Dean Fenton.
Cidade cogumelo, abandonada pelos pioneiros que a tinham fundado, foi reconquistada por Dean Fenton, um ‘desperado’ da pior espécie, que assentara arraiais no “Queen-of-Hearts Saloon”.
Os xeriffs encarregados de estabelecer uma aparência de ordem em Fenton Town eram postos fora sem demora ou, então, fugiam, de noite, sem pedir troco ou, ainda, a maior parte deles, contribuía para a fortuna de Fenton, por intermédio do gato-pingado.
A roleta estava viciada, os dados viciados estavam, as cartas marcadas, o whiskey falsificado, a comida era má e o piano desafinado. Apesar disso, todos os estabelecimentos afixavam “Lotação Esgotada”, salvo a prisão que não estava em funcionamento e Dean Fenton podia contar, todas as noites, uma sonante receita em dinheiro vivo.
É na grande rua desta cidade, sem fé nem lei, que vemos chegar um cavaleiro solitário, longe da sua casa:
— Chegámos, Jolly Jumper!
Não demorou um dia… qual dia?, uma horita chegou para todos os habitantes de Fenton Town fugirem, o Saloon ficar em chamas e, sob um céu nublado, a cidade perder até o seu próprio nome com o seu chefe prisioneiro de Lucky Luke.


She’s not cryin’ anymore (Billy Ray Cyrus)

She used to cry when I'd come home late
she couldn't buy the lies I told
all she wanted was to be needed
someone that she could call her own

the love I know I took for granted
until she walked out of my door
too little too late to say I'm sorry
she's not cryin anymore

she's not crying anymore
she ain’t lonely any longer
there's a smile upon her face
a new love takes my place
she's not crying anymore

I hear she's really doing well now
she's picked herself up off the ground
I wasn't there when I was needed
but I was there to let her down

sometimes you know I feel so foolish
If I knew then what I know now
another tear would never fall
cause I'd give our love my all
if we could work things out somehow


O Sousa (Quinzinho de Portugal)

O Sousa era, porém, ávido de cultura! Gostava muito de películas de “coboiada”, estilo tiros e bombas e socos nas trombas, estrelados pelo Stwart Granger, que fazia de Red Canyon — o Rei da Polícia Montada. Cavalo branco, casaco encarnado, winchester de repetição… hey, mandava chumbo! Grande especialista no extermínio de bandidos, índios, cascavéis e afins.
E os finais das películas!… Quando o Red Canyon entrava no Saloon de winchester, ainda fumegante, e a catraia dizia-lhe:
— Oh! my love! Afinal estás alive!
— Yes! Pois estou!
E caíam nos beiços um do outro, sobre as palavras “The End”!
O Sousa chorava a ver aqueles finais!


Some gave all (Billy Ray Cyrus)

I knew a man called him Sam 'the Cane'
Few folks even knew his name
But a hero yes was he
He left a boy, came back a man
Still many just don't understand
About the reasons we are free
I can't forget the look in his eyes
Or the tears he cried
As he said these words to me

All gave some, some gave all
Some stood through for the red, white and blue and some had to fall
And if you ever think of me
Think of all your liberties and recall
Some gave all

Now Sam 'the Cane' is no longer here
But his words are oh so clear
As they echo throughout our land
For all his friends who gave us all
Who stood the ground and took the fall
To help their fellow man
Love your country, live with pride
And don't forget those who died
America can't you see?


— Hey! Amigo gringo!… If you cross Rio Grande be very carefull, because american bandidos have got many big fire guns to kill you… So be carefull…

— Então e tu? Atravessas o rio comigo?
— …
— Podias, ao menos, dizer alguma coisa!

—Ficas aí?! Então vai contando mais uns minutos da tua vida!
E sê feliz! Pelo menos sê feliz nos próximos minutos, nas próximas horas, nos próximos dias, no resto da tua vida, se puderes, se fores capaz e se os American Bandidos deixarem. Be carefull!


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
John Blackinsell

Ligações
Billy Ray Cyrrus, Quinzinho de Portugal

Textos:
José-António Moreira

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012