Sons da Escrita 340

29 de Abril de 2011

Primeiro programa do ciclo José Manuel

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

José Manuel

n, como em neblina

amanhã
o melro com a larva no bico
e a negritude no semblante da viúva
com a criança ao colo berrando
no frio da madrugada
e ainda o cheiro a maresia
traçando-lhe o destino que
o tornou órfão e rebelde

amanhã
o melro com o presente no sonho
e o negro manto ao largo
com os homens embalando
o pesadelo da terra e das mães
chorando na beira-mar os filhos
sem pedra sobre o túmulo


Misty (Johnny Mathis)

Look at me
I'm as helpless as a kitten up a tree
And I feel like I'm clinging to a cloud
I can't understand
I get misty, just holding your hand

Walk my way
And a thousand violins begin to play
Or it might be the sound of your hello
That music I hear
I get misty the moment you're near

You can say that you're leading me on
But it's just what I want you to do
Don't you notice how hoplessly I'm lost
That's why I'm following you

On my own
Would I wander through this wonderland alone
Never knowing my right foot from my left
My hat from my glove
I'm too misty and too much in love

Look at me


José Manuel

im-puro

sorrimos im-puros com a chuva frágil a pedir licença para entrar
sorrimos por não haver mais a fazer na tristeza que somos
enquanto gente enquanto grupo de pessoas apontadas e descritas em condições específicas
em manuais escolares e religiosos
sons de púlpito instruídos por superiores ordens
senhores vinde e deixai que as vossas crianças não assistam ao vosso fim

não esperamos mais do tempo que a vida que nos é permitida, ouço
mas ninguém espera a morte? sinal real de uma vida gasta e usufruída
ninguém espera porque nem uma vida é
gasta e usufruída. que lhe valha a morte para a coroar.

enfim cai chuva sobre as cabeças sob o céu nublado
permitindo que nos lavemos das agruras impostas e vestidas
quais formas de roupa disformando os corpos
mesmo assim sorrimos para não haver diferenças
nem gargalhadas nem palavras de júbilo


Make me pure (Robbie Williams)

So I sing a song
To reel 'em in
It's a song I sung before
And a song I'm gonna sing again
I mean every word
I don't mean a single one of them
Oh Lord, make me pure
- but not yet

Tell a joke
Tell it twice
If no-one else is laughing then why am I
I split my sides both times and laugh till I cry
Oh Lord, please make me pure
- but not yet

I don't have to try
I just dial it in
I've never found a job that for me was worth bothering
I got a ton of selfish genes and lazy bones
Beneath this skin
Oh Lord, make me pure
- but not yet

Smoking kills
Sex sells
I've got one hand in my pocket but the other one looks cool as hell
I know I'm gonna die so my revenge is living well
Oh Lord, make me pure
- but not yet

I stopped praying
So I hope this song will do
I wrote it all for you
I'm not perfect but you don't mind that, do you?
I know you're there to pull me through, aren't you?

So I look for love
I like the search
And I'll be standing for election all across the known universe
Every president gets the country she deserves
Oh Lord, make me pure
- but not yet

And I've been seeing
Somebody's wife
She said she'd leave him for me and I said that wasn't wise
You can't lie to a liar because of all lies
Oh Lord, please make me pure
- not yet


José Manuel

Carta de alvorada

é noite finalmente neste país
choro em segredo a minha tristeza
sejam contentes vocês que se orgulham
de me não conhecer os passos
eu contente com vocês pretendo esquecer-me
como vocês esquecem na letargia alcoólica
os medos e as glórias dos dias
os dias sem glórias e os medos obrigados

é noite no país, meu amigo
que se for agora que lhe passe a chamar meu
desato aos tiros e mato crestos animados
e acabo com gente com o braço em riste
vem aí revolução? ai não?
então este não é o meu país.

é noite nesta terra maldita
onde a gente se confunde com espelhos
e os espelhos pensam serem gente diferente


Aubade and I’m not like other birds of prey (Supertramp)

Morning at last, every night is a fight 'till your waking
Dreams dancing fast, through the silence of sleep dawn is breaking
I wait, and watch them 'till they
And I am not like other birds of prey
And I am not like other birds of prey

A night is long, you are needing me
For when ?? I'm there to see
That the hopes know when

Soft is my is my flat
And my eyes come alies that is tacking
Life is my right
And in sleeps little bed
I protect you
So hear, let my presence ?dissme?
And I am not like other birds of prey
And I am not like other birds of prey

When homes are young and your cares are few
Then I saw ?rabove? keeping truth in you
And my maim is love


a inesperada eclosão
das borboletas e dos insectos
a morte rápida
o tempo que se esvai

as vidas longe
urgentes, à espera do abraço
ausente todos os dias


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Secret Garden

Ligações
Johnny Mathis, Robbie Williams, Supertramp

Textos:
José Manuel

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012