Sons da Escrita 189

12 de Setembro de 2008

Segundo programa do ciclo Luís Filipe Nava

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Nos teus ouvidos (Luís Miguel Nava)

Nos teus ouvidos isto explode
de amor, palavra ampola sob
os astros funcionando Abril á boca das cidades, dos
imperturbáveis muros aos quais as crianças
que de cristais nos punhos acontecem passam,
seus chapéus brevíssimos, os indícios
de nada, o modo de ler, de acender um texto
de amor nos ouvidos, isto explode e entra
nesta página o mar da minha infância, meigo
no modo de lembrá-lo, lê-lo, de acender
de carícias um texto na memória. De astros
as ruas eram cheias que os cuspiam hoje
na minha mãe de outrora, nas crianças de água, nos
pensamentos nenhuns que eu punha em seus joelhos a que os astros acorriam,
minha mãe que arranco ao sono, ás areias virgens
das palavras, que amanhecido eu gero, as mãos
tão de repente em pânico nos muros.


Can you hear me now (Gary B)

(sem texto)


Lembranças (Luís Miguel Nava)

Como é que eu poderei sintonizar o poema de maneira a que a espessura do papel não se insinua entre as suas inflexões e, a coberto da leve desfocagem a que a página o submete, o não invadam ruídos doutros textos? Eu sintonizo a página à memória, por cujas estrias as lembranças parecem ficar eléctricas quando se vêm colar como adesivos ao avesso das palavras ou irradiar, sabe-se lá donde, uma luz que, projectada sobre a página, me faz de novo aproximar do mar com passos vacilantes, dando ao meu pai uma das mãos e a outra ao terror de me saber tragado em breve por aquela imensa massa de água a espumejar à minha frente.


Memories are designed to fade (Savage Garden)

I'd never let you down when you're in a fix
I'd come running when you call
That's my weakness baby
So connected are we

You get your kicks from the ghost of a memory
So busy turning away from reality baby
That you just won't let it go

But memories fade
Yeah they're designed that way

But you're so wrapped up in her you don't see straight
Watch her mangle the truth while you take the bait
So tell her can't you see?
Your just turning yourself inside out for no need

This thing you're using is worse then a photograph
It picks you up and it turns you inside out now baby
And it just won't let you go

But memories fade
Yeah they're designed that way

She doesn't love you anymore
Maybe she did long ago
You're just a slave to the grind that she grew tired of baby
So tell her can't you see?
You're just turning yourself inside out for no need

But memories fade
Cause they're designed that way

She doesn't love you anymore
Maybe she did long ago
You're just a slave to the grind that she grew tired of baby
So tell her can't you see?
You're just turning yourself
You're just turning yourself inside out for no need

You're just turning yourself inside out for no need


A memória (Luís Miguel Nava)

Assim é a memória. Onde quer que eu me encontre abre um buraco, entra na terra, o que me dificulta a marcha ao mesmo tempo que acentua esta estranheza de eu me sentir eu até onde nem mesmo as minhas mãos, ainda que escavassem, lograriam ir. Granitos, xistos, cimentos, a nada ela deixa de aceder por causa deles - às vezes acontece essa inquietante coisa de, num prédio, ser como se ela atingisse o andar de baixo ou outro mais abaixo ainda, o que é de tal forma insidioso que, se alguém que dele chegasse me dissesse nada ter notado, eu ficaria atónito. Mas é na pele que tudo se reflecte com maior intensidade - a memória abre um sulco através dela, espalha-se à tona com tudo o que da terra atrás de si carrega até se misturar com a saliva, a qual - completamente subterrânea - é o que por fim lhe serve de coroa, aquilo a que chamamos, referindo o mar, rebentação. Vem sempre dar à pele o que a memória carregou, da mesma forma que, depois de revolvidos, os destroços vêm dar à praia.


Minutes to memories (John Mellencamp)

On a Greyhound thirty miles beyond Jamestown
He saw the sun set on the Tennessee line
He looked at the young man who was riding beside him
He said I'm old kind of worn out inside
I worked my whole life in the steel mills of Gary
And my father before me I helped build this land
Now I'm seventy-seven and with God as my witness
I earned every dollar that passed through my hands
My family and friends are the best thing I've known
Through the eye of the needle I'll carry them home

Days turn to minutes
And minutes to memories
Life sweeps away the dreams
That we have planned
You are young and you are the future
So suck it up and tough it out
And be the best you can

The rain hit the old dog in the twilight's last gleaming
He said Son it sounds like rattling old bones
This highway is long but I know some that are longer
By sunup tomorrow I guess I'll be home
Through the hills of Kentucky 'cross the Ohio river
The old man kept talking 'bout his life and his times
He fell asleep with his head against the window
He said an honest man's pillow is his peace of mind
This world offers riches and riches will grow wings
I don't take stock in those uncertain things

The old man had a vision but it was hard for me to follow
I do things my way and I pay a high price
When I think back on the old man and the bus ride
Now that I'm older I can see he was right

Another hot one out on highway eleven
This is my life It's what I've chosen to do
There are no free rides No one said it'd be easy
The old man told me this my son i'm telling it to you


O céu recua, da memória eu já não sinto
senão as mais violentas cristas nas gengivas,
a minha mãe regressa, é pelos dentes que a memória
recomeça a subir como a maré.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Nancy Rumbel

Ligações
Gary B, Savage Garden, John Cougar Mellencamp

Textos:
Luís Filipe Castro Mendes

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012