Sons da Escrita 142

16 de Novembro de 2007

Primeiro programa do ciclo Miguel Barbosa

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Miguel Barbosa

Apologia do silêncio I (Miguel Barbosa)

O silêncio
é uma experiência
genética
da palavra
o hieróglifo
que só o amor
poderá definir
hoje
descobri o silêncio
tinha-o escondido
dentro de mim,
numa folha do meu diário
que destapei
dei-lhe um rosto
datei-o
e pu-lo no correio,
sem destinatário
pensando que era a igualdade
depois do amor
o silêncio
é o sopro de fumo de um cigarro
que se perde no pólen
das asas de uma borboleta
o silêncio não escrito
nos livros sagrados
que os filósofos
semearam nos oráculos
como palavras apócrifas
de fé
ficaram eternamente
penduradas nos caracteres
cuneiformes
das tábuas do tempo
à espera de um novo amanhecer
da humanidade.


Silence and I (Alan Parsons Project com Eric Woolfson) 

If I cried out loud
over sorrows I've Known
And the secrets I've heard
It would ease my mind
Someone sharing the load
But I won't breathe a word

We're two of a kind
Silence and I
We need a chance to talk things over
Two of a kind
Silence and I
We'll find a way to work it out

While the children laughed
I was always afraid
of the Smile of the clown
So I close my eyes
Till I can't see the light
And I hide from the sound

We're two of a kind
Silence and I
We need a chance to talk things over
Two of a kind
Silence and I
We'll find a way to work it out

I can hear the cry
Of the leaf on a tree
As it Falls to the ground
I can hear the call
of an Echoing voice
And there's no one around

We're two of a kind
Silence and I
We need a chance to talk things over
Two of a kind
Silence and I
We'll find a way to work it out


Miguel Barbosa

Apologia do silêncio II (Miguel Barbosa)

O silêncio
de uma recusa
de amor
é a eternidade inacabada
de um horizonte suspenso
no garrote de uma única palavra

as espigas douradas
que deixas na areia
dos teus passos
quando passas nas praias
desertas da minha alma
são pétalas
de asas de mariposas
emigrando para os antípodas
do meu silêncio
e pão do teu corpo
o silêncio
é corpo e sangue
pesa e dói porque se sente
voz íntima
que se projecta em incerteza
como o mais profundo
dos nossos sentimentos
é um recriar
sem sexo
ser
que sofre
pelo que não é
medo que se nega
e se sente
a semente oculta
de um amor
que não é raiz
mas já existe.


I float alone (Julee Cruise)

Floating through this darkness
All alone
Love is gone in darkness
Cold as a stone
Searching through the shadows you have known
Love’s gone
Bare as a bone.

Trying to hold the memory face
You seem to have vanished without a trace
And in this darkness
This empty space
I float alone.

Now the night is falling
You have gone
Sad dreams blow through dark trees
Love’s gone wrong
Clouds of sadness raining all night long
Love’s gone
The end of our song.

I float alone
I float alone.


Miguel Barbosa

Apologia do silêncio III (Miguel Barbosa)

O silêncio
é o veneno doce
de um contraveneno amargo
onde a poesia se fala
sem nada dizer
o parto
de um momento
de desejo
que torna o poeta
o objecto
da sua própria loucura
entre duas cópulas
o silêncio
é a poesia que se esvai
de um poema que se apaga
no desejo que renasce
o silêncio
é feito de vazios
que transbordam
de uma ideia
que se não enche
em palavras
é a singularidade
da translação dos sentimentos
que não se desperdiça
em virtuais estereótipos
verbais
a solidão
que bebi
na embriaguês das cores
da aurora boreal
ainda me deixou mais só
porque tinha o teu silêncio
atravessado na garganta.


Even in the quietest moments (Supertramp)

Even in the quietest moments
I wish I knew what I had to do
And even though the sun is shining
Well I feel the rain — here it comes again, dear
And even when you showed me
My heart was out of tune
For there's a shadow of doubt that's not letting me find you too soon
The music that you gave me
The language of my soul
Oh Lord, I want to be with you.
Won't you let me come in from the cold?

Don't you let the sun fade away
Don't you let the sun be leaving
Won't you come to me soon

And even though the stars are listening
And the ocean's deep, I just go to sleep
And then I create a silent movie
You become the star, is that what you are, dear?
Your whisper tells a secret
Your laughter brings me joy
And a wonder of feeling I'm Nature's own little boy
But still the tears keep falling
They're raining from the sky
Well there's a lot of me got to go under before I get high

Don't you let the sun disappear
Don't you let the sun be leaving
No, you can't be leaving my life
Say that you won't be leaving my life
Say won't you please, stay won't you please
Lord, won't you come and get into my life
Say won't you please, stay won't you please
Lord, don't go

And even when the song is over
Where have I been — was it just a dream?
And though your door is always open
Where do I begin — may I please come in, dear?


Qualquer pensamento
deixa sempre
um rasto poético
de silêncio.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Andreas Vollenweider, Tangerine Dream, Enigma

Ligações
Alan Parsons Project com Eric Woolfson, Julee Cruise, Supertramp

Textos:
Miguel Barbosa

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012