Sons da Escrita 317

1 de Janeiro de 2011

Segundo programa do ciclo Miguel Torga

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

MiguelTorga

Livro de horas

Aqui, diante de mim,
Eu, pecador, me confesso
De ser assim como sou.
Me confesso o bom e o mau
Que vão ao leme da nau
Nesta deriva em que vou.

Me confesso
Possesso
De virtudes teologais,
Que são três,
E dos pecados mortais,
Que são sete,
Quando a terra não repete
Que são mais.

Me confesso
O dono das minhas horas.
O das facadas cegas e raivosas,
E o das ternuras lúcidas e mansas.
E de ser de qualquer modo
Andanças
Do mesmo todo.

Me confesso de ser charco
E luar de charco, à mistura.
De ser a corda do arco
Que atira setas acima
E abaixo da minha altura.

Me confesso de ser tudo
Que possa nascer em mim.
De ter raízes no chão
Desta minha condição.
Me confesso de Abel e de Caim.

Me confesso de ser Homem.
De ser um anjo caído
Do tal Céu que Deus governa;
De ser um monstro saído
Do buraco mais fundo da caverna.

Me confesso de ser eu.
Eu, tal e qual como vim
Para dizer que sou eu
Aqui, diante de mim!


If came the hour (Secret Garden)

If came the hour, if came the day
If came the year, when you went away
How could I live, I'd surely die
What would I be if you say goodbye 

How would I laugh, how could I love
Could I believe in a God above
How would I hope, how could I pray
If came the hour, if came the day 

But you are here, lying beside me
I watch you breath, each rise and fall
Without you here, then there would be
Nothing at all 

If in this world, all things must pass
And we must raise, the parting glass
No words would ever come
What could I say
If came the hour, if came the day 

There'd be no music in my soul
How could I dance, now you to hold
How could I hear the violin
There'd be no song, I could ever sing 

But you are here, lying beside me
I watch you breath, each rise and fall
Without you here, then there would be
Nothing at all 

Now you awake, the dawn sweeps in
I touch your mouth, I touch your skin
How would I live, if you should go away
If came the hour, if came the day 

How could I live, if you should go away
If came the hour, if came the day 

If came the hour, if came the day


MiguelTorga

Santo-e-senha

Deixem passar quem vai na sua estrada.
Deixem passar
Quem vai cheio de noite e de luar.
Deixem passar e não lhe digam nada.

Deixem, que vai apenas
Beber água de Sonho a qualquer fonte;
Ou colher açucenas
A um jardim que ele lá sabe, ali defronte.

Vem da terra de todos, onde mora
E onde volta depois de amanhecer.
Deixem-no pois passar, agora

Que vai cheio de noite e solidão.
Que vai ser
Uma estrela no chão.


Just one star (Anthony & the Johnsons)

I am just one star caught in a shine
My friends, my mama loves me, but it's not enough
I wanted to be more, more than I could bare
I am just one star born of grace and soon to die
But if I can just learn how to love then I could live
My honey, my little baby, my honey


MiguelTorga

Nocturno

Quatro da madrugada.
Vivos,
sob o arco do céu,
eu
e um cão tão magro como eu.

Sem prévia combinação, sem nada,
tivemos este encontro nesta rua
a esta hora marcada
pelo aceno da lua.

E aqui vamos agora,
num amor vagabundo
de quem não se conhece e se namora,
a encher os dois sozinhos este mundo.


Moon dog (Prefab Sprout)

The funeral cars crawl down
The heartbreak side of town
The mourners all discuss
The boy who caused a fuss
We chopped a billion trees to print up eulogies
But guys we should have guessed,
The girls would say it best
Moondog!
Love. 'Cos love's the final word
Nothing crosses love
Reason has to bow if love demands it
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
Up there a flag will fly for mom and apple pie
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
The one place left to play
The comeback's underway
The world was younger then
In bed asleep by ten
And daddies shook their fists
At hidden communists
The earth was merely round
Before the slapback sound
Is there one spell can bring
The once and future king ?
Moondog!
Cut... To somewhere deep in space
Beyond the Colonel's arms
Handsome doggone rake the truly weightless
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
Up there a flag will fly for mom and apple pie
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
The one place left to play
The comeback's underway
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
Up there a flag will fly for mom and apple pie
Moondog! - Guess who's on the moon
Moondog! - Guess who's on the moon
The one place left to play
The comeback's underway


Hoje a grande desgraça não fui eu:
Foi um velho navio que partiu
E me deixou no cais
Sem nenhum sonho mais.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Philip Glass, Vangelis Papathanasious, David Arkenstone

Ligações
Secret Garden, Antony & the Johnsons, Prefab Sprout

Textos:
Miguel Torga

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012