Sons da Escrita 263

5 de Fevereiro de 2010

Terceiro programa do ciclo Natália Correia

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Natália Correia

O sol nas noites e o luar nos dias (Natália Correia)

De amor nada mais resta que um Outubro
e quanto mais amada mais desisto:
quanto mais tu me despes mais me cubro
e quanto mais me escondo mais me avisto.
E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico.
Não me acordes. Estou morta na quermesse
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie
nem teus zelos amantes a demovem.
Mas quanto mais em nuvem me desfaço
mais de terra e de fogo é o abraço
com que na carne queres reter-me jovem.


Shadows in the moonlight (Anne Murray)

We'll be shadows in the moonlight,
Darlin I'll meet you at midnight
Hand and hand we'll go,
Dancin' through the Milky Way.

And we'll find a little hide a way
Where we can love the whole night away
We'll be shadows in the moonlight
Right up 'til the light of day.

Ooh the night is young and baby, so are we
Glad, I'm gonna make you glad you came
You won't need a thing
Just bring your love for me
And darlin' I will do the same.

We'll be shadows in the moonlight,
Darlin I'll meet you at midnight
Hand and hand we'll go,
Dancin through the Milky Way.

Do you want me to think
Just bring your love for me
You'll be glad you came
Just wait and see.

We'll be shadows in the moonlight,
Darlin I'll meet you at midnight
Hand and hand we'll go,
Dancin' through the Milky Way.

And we'll find a little hide a way
Where we can love the whole night away
We'll be shadows in the moonlight
Right up 'til the light of day.


Natália Correia

Poema destinado a haver domingo (Natália Correia)

Bastam-me as cinco pontas de uma estrela
E a cor dum navio em movimento
E como ave, ficar parada a vê-la
E como flor, qualquer odor no vento.

Basta-me a lua ter aqui deixado
Um luminoso fio de cabelo
Para levar o céu todo enrolado
Na discreta ambição do meu novelo.

Só há espigas a crescer comigo
Numa seara para passear a pé
Esta distância achada pelo trigo
Que me dá só o pão daquilo que é.

Deixem ao dia a cama de um domingo
Para deitar um lírio que lhe sobre.
E a tarde cor-de-rosa de um flamingo
Seja o tecto da casa que me cobre

Baste o que o tempo traz na sua anilha
Como uma rosa traz Abril no seio.
E que o mar dê o fruto duma ilha
Onde o Amor por fim tenha recreio.


Heaven on a sunday (Paul McCartney)

Peaceful, like heaven on a Sunday
Wishful, not thinking what to do
We've been calling it love
But it's a dream we're going through

And if I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose

Restful, like Devon on a Monday
Cooling my fingers in the bay
We've been learning a song
But it's a long and lonely blues

If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose

It's peaceful, like heaven on a Sunday
Wishful, not thinking what to do
We've been calling it love
But it's a dream we're going through

And if I only had one love
Yours would be the one I'd choose
If I only had one love
Yours would be the one I'd choose


Natália Correia

Ó Véspera do Prodígio! – IV (Natália Correia)

Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na Deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,
 
Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo é eterno num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,
 
Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,
 
Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen.


You make me believe (Simply Red)

Sometimes you're my mama
Sometimes my little baby girl
Occasionally you're my puttana
But then you're sweet, sweet sweet love
And it makes me believe
That I should never lose you love
You make me believe

Fulfill all my fantasies
Moisten up all my warmest dreams
Hold my love in silk bandanas
And then just scream, scream it love
Cause it would make me weep
If I should ever lose your love
Cause you make me believe

But then you're sweet, sweet sweet love
And it makes me believe
That I should never lose your love
You make me believe


Lembrar teus carinhos induz
a ter existido um pomar
intangíveis laranjas de luz
laranjas que apetece roubar. 

Teu luar de ontem na cintura
é ainda o vestido que trago
seda imaterial seda pura
de criança afogada no lago. 

Os motores que entre nós aceleram
os vazios comboios do sonho
das mulheres que estão à espera
são o único luto que ponho.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Glimmer Room, Kevin Kern, Yanni

Ligações
Anne Murray, Paul McCartney, Simply Red

Textos:
Natália Correia

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012