Sons da Escrita 183

1 de Agosto de 2008

Quarto programa do ciclo Nuno Júdice

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Nuno Júdice

Amor terreno (Nuno Júdice)

Quem o amor imagina, sem o conhecer,
não sabe o que perde quando imagina;
menos do que nada vale o saber
perante o que o coração nos destina.

Um rosto que se abre num sorriso
e limpa do céu todo o cinzento;
uns lábios que trazem loucura e siso
e na alma abrandam o mais alto vento.

Pode falar-se do que é o amor,
rodeá-lo de análises e teorias;
é como um cego a descrever a cor,

ou um surdo sonhando melodias.
Só quem ama conhece a verdade
em que a ilusão se faz eternidade.


Jenny Wren (Paul McCartney)

Like so many girls, Jenny Wren could sing
But a broken heart, took her song away

Like the other girls, Jenny Wren took wing
She could see the world, and its foolish ways

How, we, spend our days, casting, love aside
Losing, sight of life, day, by, day

She saw poverty, breaking up her home
Wounded warriors, took her song away

(solo) verse, chorus

But the day will come, Jenny Wren will sing
When this broken world, mends its foolish ways

Then we, spend our days, catching up on life
All be-cause of you, Jenny Wren

You saw who we are, Jenny Wren


Nuno Júdice

Nova reforma agrária (Nuno Júdice)

Olho os teus olhos fechados,
— ouço a tua respiração breve.
E sei que sabes que te vejo,
como tu sabes que eu o sei.

Admiro, meu amor, o teu sonho.
Levas-me para fora da cidade,
às estradas ermas dos arredores,
onde vôo sobre o teu corpo.

E um outro campo nos aparece:
ramos, são os teus braços; flores,
as que nascem dos teus lábios;
corre um rio no vale entre os seios.

E volto a ser um camponês,
trabalhando a terra que me dás.


Feel your love (Crosby, Stills, Nash & Young)

High on a balcony, right where we used to be,
This city dancing like a sparkling sea.
I wanna catch a wave, I wanna swim to shore.
Walk on that same beach like I did before.

I really want the sun, want the sun to rise,
I really want to end the night.
I really wanna feel, wanna feel your love.
I wanna feel your love.

I think of our old friends, I count my enemies.
I hear you tell me how I don't know love.
I wanna feel your love, I wanna lay right down.
Wish I was swimming in the sound of love.

I really want the night, want the night to end.
I really want the sun to rise.
I really wanna feel, wanna feel your love.
I wanna feel your love.

And now the night is still, the mansion on the hill,
The children sleeping in their endless dreams.

I wanna feel your love, I wanna feel your love,
I wanna feel your love, feel your love, feel your love.

I wanna feel your love, I wanna feel your love,
I wanna feel your love, feel your love, feel your love.


Nuno Júdice

Enigma com fórmula (Nuno Júdice)

Pergunto o que é o segredo da vida, se
é que a vida tem algum segredo. Pelo
menos, quando se pergunta, é porque se
sabe que nem tudo se pode saber.

Mas quando não encontro resposta para
isso, e só as frases cortadas a meio insistem
em dar-me certezas, ponho em dúvida que
a vida tenha segredos para quem vive.

Ando à volta com o que sei e o que
não sei quando pergunto que segredo
tem a vida. Para além das árvores, para
cá do rio, o que interessa é o que não se vê.

Mas pode ser que não se precise de
perguntas para viver. Faço o que tem de ser,
sem responder, e sei o que faço, sem
perguntar, para este segredo revelar.


That's life (Michael Bublé)

(Don't let it get you, don't let it get you down
For this world keeps on spinning 'round)

That's life
That's what all the people say
You're riding high in April
You're shot down in May
I know I'm gonna change that tune
When I'm back on top in June

I say that's life
& as funny as it may seem
Some people get their kicks
Stompin' on your dreams
But I don't let it, let it get me down
'Cause this fine ol' world keeps spinning 'round

I've been a puppet, a pauper, a pirate,
A poet, a pawn & a king
I've been up & down & over & out
But I know one thing
Each time I find myself, flat on this face
I pick myself up & get back in the race

That's life
I can't deny it
I thought of quitting, baby
This heart wasn't gonna buy it
And if I didn't think it was worth one single try
I'd jump right on a big bird & then I'd fly

I've been a puppet, a pauper, a pirate,
A poet, a pawn & a king
I've been up & down & over & out
And I know one thing
Each time I find myself flat on my face
I pick myself up & get back in the race

That's life
That's life & I can't deny it
Many times I thought of cutting out
But my heart won't buy it
But if there's nothing shakin' come this here July
I'm gonna roll
I'm gonna roll
I'm gonna roll myself up in a big ball & die
Can't deny it
That's life


Tentei descrever o amor, do ponto de vista
da razão, subvertendo o que a natureza
humana dele pretende: um fim
para o desejo, para a desordem dos sentidos,
para a falta de entendimento de quem vive
solitário. Não sei o que descrevi: se
esse conjunto de emoções que se concentra
no instante da paixão, transformando
a alma numa fogueira feita
de mágoa e alegria; se o instante em
que toda a percepção é absorvida por ti,
mesmo que tu me peças que não perca
juízo e coração, ambos envoltos na
estranha tormenta que os teus olhos
desencadeiam.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Harold Budd, Rúben García, Daniel Lenz, Andreas Vollenweider, Suzanne Ciani

Ligações
Paul McCartney, Crosby, Stills, Nash & Young, Michael Bublé

Textos:
Nuno Júdice

Edição e voz:
José-António Moreira

© José-António Moreira 2012