Sons da Escrita 226

22 de Maio de 2009

Primeiro programa do ciclo Otília Martel

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

OtiliaMartel

Começar um sonho (Otília Martel)

De asas abertas na imensidade,
pássaro faminto de liberdade,
voa, voa…
és viajante, cruza o espaço
que o teu voo não tem cansaço
voa… voa…

Sentido sonho o que sonhaste
sobre os campos, águas e flores,
fala de sentires e amores
e, voa como os falcões
contornando os furacões.

Pássaro que sentes a tempestade
quando ela ao longe vem,
voa nessa claridade
do puro azul que nos faz bem!


Sonhos (Caetano Veloso)

Tudo era apenas brincadeira
E foi crescendo, crescendo, me absorvendo
E de repente eu me vi assim
Completamente seu

Vi a minha força amarrada no seu passo
Vi que sem você não há caminho, não me acho
Vi um grande amor gritar dentro de mim
Como eu sonhei um dia

Quando o meu mundo era mais mundo
E todo mundo admitia
Uma mudança muito estranha
Mais pureza, mais carinho, mais calma, mais alegria
No meu jeito de me dar

Quando a canção se fez mais clara e mais sentida
Quando a poesia realmente fez folia em minha vida
Você veio me falar dessa paixão inesperada
Por outra pessoa

Mas não tem revolta não
Eu só quero que você se encontre
Saudade até que é bom
É melhor que caminhar vazio
A esperança é um dom
Que eu tenho em mim,
Eu tenho sim
Não tem desespero não
Você me ensinou milhões de coisas
Tenho um sonho em minhas mãos
Amanhã será um novo dia
Certamente eu vou ser mais fe...liz


OtiliaMartel

As cores do pensamento (Otília Martel)

No tempo das cores impossíveis
o mundo vai ter tantos tons
que ninguém vai fechar os olhos.

Não vai ser possível sonhar…
o sonho vai ser a vida
a vida vai ser um sonho.

No tempo das cores impossíveis
o azul será tão claro, que quase será branco
e o vermelho será tão rubro, que quase será preto.

No tempo das cores impossíveis
as cores vão tomar conta do mundo
e serão tantas, que não poderemos contá-las.

(Mas quem contaria as cores?)

No tempo das cores impossíveis
muitas coisas vão acontecer
e ninguém mais vai ficar sozinho.

Nesse tempo de cores impossíveis
a água será salmão e o salmão será azul.
As rosas serão verdes e as matas serão púrpura.

Os amigos vão andar de mãos dadas pelas ruas, sozinhos…

E quem não quiser olhar pode pintá-los de cores invisíveis
no pensamento… na memória…
Mas eles terão as cores mais bonitas e as mais impossíveis.

No tempo das cores impossíveis
o mundo terá as cores que já existem no nosso coração
as que já existem dentro do nosso pensamento.


True Colors (Emi Fujita)

You with the sad eyes
Don't be discouraged
Oh I realize
It's hard to take courage,
In a world full of people
You can lose sight of it
And the darkness, inside you
Makes you feel so small

But I see your true colours
Shining through
I see your true colours
And that's why I love you
So don't be afraid to let them show
Your true colours,
True colours, are beautiful ooh like a rainbow.

Show me a smile,
Don't be unhappy, can't remember
When I last saw you laughing
If this world makes you crazy
And you've taken all you can bear,
Just call me up,
cause you know I'll be there

And see your true colours
Shining through
I see your true colours
that's why I love you
So don't be afraid to let them show
your true colours,
True colours are beautiful,
Ooh Like a rainbow

Such sad eyes,
Take courage now,
Realize

When this world makes you crazy
And you've taken all you can bear
Just call me up
Because you know I'll be there

And see your true colours
Shining through
I see your true colours
that's why I love you
So don't be afraid to let them show
Just show your true colours
True colours, true colours

Are shining through
I see your true colours
And that's why I love you
So don't be afraid, just let them show
Your true colours, true colours
True colours are beautiful,
So beautiful, like a rainbow

Yeah, Yeah, (Yeah, Yeah), Yeah(Yeah)

Show me your colours,
Show me your colours,
Show me your rainbow,
Show me your rainbow,

Show Me your colours,
Show me your rainbow
thats why I love you

show me your colours
show me your rainbow
that's why I love you


OtiliaMartel

Sonhos (Otília Martel)

Alegra-se a paisagem em beleza,
vendo sonhos a elevarem-se em oração
parecendo que a própria natureza
tem como nós, um coração.

As tardes são de límpida tranquilidade
há doçura e paz na solidão;
recordações plenas de saudade
transformadas em sonho e ilusão.

bailam as folhas, bailam lentamente
voando para longe a renascerem,
levadas pela força da aragem.

O céu transporta-nos ao poente,
chegando o pôr-do-sol ao anoitecer
e as sombras adormecem na paisagem.


Bored by dreams (Marianne Faithfull)

Things are never what they seem
Play a part most of the time.
What is yours cannot be mine
And I'm bored by dreams.

Bored by dreams.

I can't say the words I mean
Make myself go through the line.
Does the payment fit the crime
If I'm bored by dreams ?

Take me through the steps my love,
Shall we dance again ?
I was older then,
Now we are the same.

Lasse des rêves.

Rêve qui brille dans le noir
Brillera bien, tu peux le croire.
Toujours dire la vérité
Quand je suis lasse des rêves.

Take me through the steps, my love,
Shall we dance again ?
Things were always brighter then,
Hear me call your name.

After a certain age
Every artist
Works with injury.

After a certain age
Every artist
Works with injury.

Take me through the steps my love,
Shall we dance again ?
I was always older then,
Now we are the same.


Do meu peito apreende essa canção suprema
que, sempre bela, tem ao tempo resistido.
O amor é um poema
que só os poetas sabem seu sentido.

Minhas palavras, porém, ficam aquem do pensamento.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
David Lanz, Blue Earth, Alan Parsons Project

Ligações
Caetano Veloso, Emi Fujita, Marianne Faithfull

Textos:
Otília Martel

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make


© José-António Moreira 2012