Sons da Escrita 114

11 de Maio de 2007

Primeiro programa do ciclo Papiniano Carlos

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Papiniano Carlos

Mas galopas (Papiniano Carlos)

A galope
um cavaleiro atravessava a noite.
Inútil perguntar-lhe
o que levava. Galopava.

À desfilada
atravessava noites, abismos, cidades.
Não lhe perguntásseis de onde veio,
aonde ia. Galopava.

Furacão
vingador, arcanjo desencadeado
que resta do que foste? Já não és fogo
nem vento. És cinza, pó. Mas galopas.


Riders on the storm (Doors)

Riders on the storm
Riders on the storm
Into this house we're born
Into this world we're thrown
Like a dog without a bone
An actor out alone
Riders on the storm 

There's a killer on the road
His brain is squirmin' like a toad
Take a long holiday
Let your children play
If ya give this man a ride
Sweet memory will die
Killer on the road, yeah 

Girl ya gotta love your man
Girl ya gotta love your man
Take him by the hand
Make him understand
The world on you depends
Our life will never end
Gotta love your man, yeah 

Wow! 

Riders on the storm
Riders on the storm
Into this house we're born
Into this world we're thrown
Like a dog without a bone
An actor out alone
Riders on the storm


Papiniano Carlos

Renovação (Papiniano Carlos)

Em cada dia morre um homem em mim.
Em cada dia nasce um homem em mim.
Só o itinerário é o mesmo e isso decerto basta.
E eu tenho saudades do homem que fui!
E eu anseio, espero os homens que serei!
Dia após dia, eu me renovo, sigo sempre.
Meus olhos de ontem não são meus olhos de hoje.
Um mundo morre, outro mundo nasce em cada dia.
Só o itinerário é o mesmo e isso decerto basta.


Wich way to burn (Bryan Ferry)

I didn’t know which way to turn
I didn’t know which way to turn
Can’t control my feelings if I tried
Right from wrong from left to right
I didn’t know which way to turn
Walk on ice feel your fingers burn
Walk on ice feel your fingers burn
And the world you know
Easing out of time
Can’t control my feelings if I tried
Can’t control my feelings if I tried
And the world you know
Easing out of time
Easing out of time...


Papiniano Carlos

Primeiro dia (Papiniano Carlos)

Depois será como se nascêssemos de novo,
trouxéssemos para o dia
a nossa mais funda e mais bela face,
dia de chuva solar em nossos cabelos ilimitados.
Ergueremos os ombros cansados
e nos reveremos nas águas
do próprio rio que somos, inextinguível.

Pousarão as aves marinhas e as terrestres
nos nossos ombros escorrendo sol e limos,
e as rãs adormecerão nos paúis
onde nos diluímos sôfregamente raízes.
E os peixes e os navios navegarão em nosso sangue,
na maior das navegações
de todos, todos os tempos.

Erecto estará nosso braço, e formidável.
Sob as nossas mãos
crescerão as formas anunciadas.
E as palavras nos brotarão dos lábios,
e serão searas
e aves do tamanho do mundo.


Like being born (Marianne Faithfull)

My father promised me roses
My mother promised me storms
My father taught me to use my mind
My mother taught me scorn
He touches me lightly with his hand
It feels like beeing born
It feels like beeing born
It feels like beeing born

My father promised me green trees
My mother promised me stars
I hardly see the love I have
It all goes by so fast
He kisses me gently with his lips,
It’s near what once was far

My father promised me roses
My mother promised me thorns
My father taught me to use my mind
My mother taught me scorn
He touches me lightly with his hand
It feels like beeing born
It feels like beeing born


Das palavras amordaçadas em nossos lábios roxos
nascerão ventos, nascerão ventos.

E nascerão mãos
para conduzir os ventos.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Dave Cruisin

Ligações
Doors, Bryan Ferry, Marianne Faithfull

Textos:
Papiniano Carlos

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012