Sons da Escrita 057

8 de Abril de 2006

Terceiro programa do ciclo Pedro Tamen

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

Pedro Tamen

Um fado, palavras minhas (Pedro Tamen)

Palavras que disseste e já não dizes,
palavras como um sol que me queimava,
olhos loucos de um vento que soprava
em olhos que eram meus, e mais felizes.
Palavras que disseste e que diziam
segredos que eram lentas madrugadas,
promessas imperfeitas, murmuradas
enquanto os nossos beijos permitiam.
Palavras que dizias, sem sentido,
sem as quereres, mas só porque eram elas
que traziam a calma das estrelas
à noite que assomava ao meu ouvido...
Palavras que não dizes, nem são tuas,
que morreram, que em ti já não existem
- que são minhas, só minhas, pois persistem
na memória que arrasto pelas ruas.


I remember you (Diana Krall) 

I remember you, you're the one who made my dreams come true, a few kisses ago.
I remember you, you're the one who said I love you too, I do, didn't you know?
I remember too a distant bell, and stars that fell like rain out of the blue.
When my life is through and the angels ask me to recall the thrill of them all,
Then I shall tell them, I remember you.


Pedro Tamen

A segurança destas paralelas (Pedro Tamen)

A segurança destas paralelas
— a beira da varanda e o horizonte;
assim me pacifico, e é por elas
que subo lentamente cada monte.
O tempo arrefecido, e só soprado
por uma brisa tarda que do mar
torna este minuto leve aconchegado,
traz mansas as certezas de se estar.
E vêm novos nomes: são as fadas,
gigantes e anões, que são assim
alegres de o serem - parcos nadas
que enchendo de silêncios este sim
dele fazem brinquedos, madrugadas...
Agora eu estou em ti e tu em mim.


God says nothing back (Wallflowers)

Seems like the world's gone underground
No gods or heroes dare to go down
Teardrops from a hole in heaven come
Overhead like ravens dropping down like bombs

Through the mornings silver frosted glow
God says nothing back but I told you so
I told you so

God bless the void of my daydreams
Head back in the snow making angel wings
As slow motion dancing lights at dawn
Sail beneath a burning yellow sun

I'm calling out from the deep ends of my bones
Time says nothing back but I told you so
I told you so

Still waters rising in my mind
Black and deep, smoke behind my eyes
Last night I could not sleep at all
I hallucinated that you were in my arms

To be in your heart I failed my own
Love says nothing back but I told you so
I told you so

Still here reclimbing every rung
Someone saw something
Now Someone speak up
Back over the rotted bridge I cross
Open up these graves, let these bodies talk

Burried under leaves blood red and gold
Death says nothing back but I told you so
I told you so


Pedro Tamen

Amar-te é vir de longe (Pedro Tamen)

Amar-te é vir de longe,
descer o rio verde atrás de ti,
abrir os braços longos desde os sete
anos sobre a latada ao pé do largo,
guardar o cheiro a figos vistos lá,
a olho nú, ao pé, ao pé de ti,
parar a beber água numa fonte,
um acaso perdido no caminho
onde os vimes me roçam a memória
e te anunciam mãos e te perfazem;
como se o sino à hora de tocar
já fosse o tempo todo badalado,
e a tua boca se abrisse atrás do tojo,
e abaixo dos calções as pernas nuas
se rasgassem só para o pequeno sangue,
tal o pequeno preço que me pedes.
Atrás da curva estavas, és, serias,
nos muros de granito, nas amoras.
Amar-te era lembrança e profecias,
uma porta já feita para abrir,
e encontrar o lar ou música lavada
onde, se nasces, vives, duras, moras
— meu nome exacto e pão
no chão das alegrias.


I'm loosing you (John Lennon)

Here in some stranger's room
Late in the afternoon
What am I doing here at all?
Ain't no doubt about it
I'm losing you, I'm losing you 

Somehow the wires got crossed
Communication's lost
Can't even get you on the telephone
Just got to shout about it
I'm losing you, I'm losing you 

Well, here in the valley of indecision
I don't know what to do
I feel you slipping away
I feel you slipping away
I'm losing you, I'm losing you 

Well now, you say you're not getting enough
But I remind you of all that bad, bad, bad stuff
So what the hell am I supposed to do?
Just put a bandaid on it?
And stop the bleeding now
Stop the bleeding now 

I'm losing you, I'm losing you
Well, well, well 

I know I hurt you then
But hell, that was way back when
Well, do you still have to carry that cross? (drop it)
Don't want to hear about it
I'm losing you, I'm losing you
Don't want to lose you now
Welllllllll!
So long ago


Se dia, porque dia, como dia,
se agora, mas ainda, com que foi,
palavras, cumprimento, anoitecia,
mas nada, porque nada, porque dói.

Sentado, levantado, acorrentado,
telefones e jantar, não sei se vou,
um tiro, ou não é isso, ou perfumado,
mas tanto, por tão pouco, e acabou.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Oystien Sevåg

Ligações
Diana Krall, Wallflowers, John Lennon

Textos:
Paulo Ramalho

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012