Sons da Escrita 389

7 de Abril de 2012

Primeiro programa do ciclo T. S. Eliot

Compasso a compasso, palavra a palavra, alinham-se, rigorosos, os sons da escrita.

Quando um homem interroga a água pura dos sentidos e ousa caminhar, serenamente, os esquecidos atalhos de todas as memórias, acontecem viagens — viagens entre o quase tudo e o quase nada.

Então, da raíz dos nervos da memória surge a planta de uma vida escutada no silêncio dos sons da escrita.

Sons da Escrita – à volta de uma ideia de José-António Moreira.


•••

do livro Quatro quartetos

As palavras movem-se, a música move-se
Apenas no tempo; mas o que apenas vive
Apenas pode morrer. As palavras, depois de ditas,
Alcançam o silêncio. Apenas pela forma, pelo molde,
Podem as palavras ou a música alcançar
O repouso, tal como uma jarra chinesa ainda
Se move perpetuamente no seu repouso.
Não o repouso do violino, enquanto a nota dura,
Não isso apenas, mas a coexistência,
Ou digamos que o fim precede o princípio,
E que o fim e o princípio estiveram sempre ali
Antes do princípio e do fim.
E tudo é sempre agora. As palavras deformam-se,
Estalam e quebram-se por vezes, sob o fardo,
Sob a tensão, escorregam, deslizam, perecem,
Definham com imprecisão, não se mantêm,
Não ficam em repouso. Vozes estridentes
Ralhando, troçando, ou apenas tagarelando,
Assaltam-nas sempre. O Verbo no deserto
É muito atacado por vozes de tentação,
A sombra que chora na dança funérea,
O clamoroso lamento da quimera desconsolada.


Words (Ronan Keating)

Smile an everlasting smile, a smile can bring you
Near to me.
Don't ever let me find you gone, cause that would
Bring a tear to me.
This world has lost it's glory, lets start a brand
New story now, my love.
Right now, there'll be no other time and I can show
You how, my love.

Talk in everlasting words, and dedicate them all to
Me.
And I will give you all my life, I'm here if you
Should call to me.
You think that I don't even mean,
A single word I say.
It's only words, and words are all I have, to take
Your heart away


do livro Quatro quartetos

É do lar que nós partimos. À medida que envelhecemos
Torna-se mais estranho o mundo, mais complicado o molde
Dos mortos e dos vivos. Não o momento intenso
Isolado, sem antes nem depois,
Mas uma vida inteira ardendo em cada momento
E não a vida inteira de um único homem apenas
Mas de velhas pedras que não podem ser decifradas.
Há um tempo para o serão à luz das estrelas,
Um tempo para o serão à luz do candeeiro
(O serão com o álbum das fotografias).
O amor está mais perto dele mesmo
Quando lugar e tempo deixam de interessar.
Os velhos deviam ser exploradores
Aqui e ali não importa
Nós devemos estar em repouso e no entanto em movimento
Noutra intensidade
Para mais ampla união, mais profunda comunhão
Através do escuro frio e da vazia desolação,
O grito da onda, o grito do vento, as vastas águas
Do petrel e do porco marinho. No meu fim está o meu princípio.


Home (Michael Bublé)

Another summer day
Has come and gone away
In Paris and Rome
But I wanna go home
Mmmmmmmm

May be surrounded by
A million people I
Still feel all alone
I just wanna go home
Oh, I miss you, you know

And I’ve been keeping all the letters that I wrote to you
Each one a line or two
“I’m fine baby, how are you?”
Well I would send them but I know that it’s just not enough
My words were cold and flat
And you deserve more than that

Another aeroplane
Another sunny place
I’m lucky, I know
But I wanna go home
Mmmm, I’ve got to go home

Let me go home
I’m just too far from where you are
I wanna come home

And I feel just like I’m living someone else’s life
It’s like I just stepped outside
When everything was going right
And I know just why you could not
Come along with me
'Cause this was not your dream
But you always believed in me

Another winter day has come
And gone away
In even Paris and Rome
And I wanna go home
Let me go home

And I’m surrounded by
A million people I
Still feel all alone
Oh, let me go home
Oh, I miss you, you know

Let me go home
I’ve had my run
Baby, I’m done
I gotta go home
Let me go home
It will all be all right
I’ll be home tonight
I’m coming back home


do livro Quatro quartetos

Cinza na manga de um ancião
É toda a cinza que deixam as rosas queimadas.
A poeira suspensa no ar
Marca o lugar onde uma história acabou.
A poeira respirada era uma casa –
A parede, o lambril e o rato.
A morte da esperança e do desespero,
Isto é a morte do ar.

Há cheia e seca
Sobre os olhos e na boca,
Água morta e areia morta
Disputando a superioridade.
O solo crestado e eviscerado
Boceja perante a inútil labuta,
Ri sem alegria.
Isto é a morte da terra.

A água e o fogo sucedem-se
Ao burgo, à pastagem e à erva.
A água e o fogo escarnecem
Do sacrifício que negámos.
A água e o fogo corromperão
As danificadas fundações que esquecemos,
Do santuário e do coro.
Isto é a morte da água e do fogo.


Smoke on the water (Deep Purple)

We all came out to Montreaux,
On the Lake Geneva shoreline.
To make records with a mobile,
We didn't have much time.
But Frank Zappa and the Mothers,
Were at the best place around,
But some stupid with a flare gun,
Burned the place to the ground.
Smoke on the water and fire in the sky.
Smoke on the water...
They burned down the gambling house,
It died with an awful sound.
(Uh) Funky Claude was running in and out,
Pulling kids out the ground.
When it all was over,
We had to find another place.
But Swiss time was running out,
It seemed that we would lose the race.
Smoke on the water and fire in the sky.
Smoke on the water...

We ended up at the Grand Hotel.
It was empty cold and bare.
But with the Rolling truck Stones thing just outside,
Making our music there.
With a few red lights, a few old beds,
We made a place to sweat.
No matter what we get out of this,
I know I know we'll never forget.
Smoke on the water and fire in the sky.
Smoke on the water...


A única sabedoria que podemos esperar alcançar
É a sabedoria da humildade: a humildade é infinita.

As casas desaparecem todas sob o mar.
Os dançarinos desaparecem todos sob a colina.


Música:

Genérico
Davy Spillane (abertura e fecho), Beatles (Fecho)

Fundos
Michael Danna & Jeff Danna

Ligações
Ronan Keating, Michael Bublé, Deep Purple

Textos:
T. S. Eliot

Edição e voz:
José-António Moreira


•••|•••|•••


And in the end

the love you'll take

is equal to the love you make

© José-António Moreira 2012