AntonioJoseCravo

António José Cravo
As coisas elementares


As coisa elementares

falo das coisas mais

elementares


o sino da igreja

onde um galo não canta

um seixo rolado

guardando o tempo

dentro de si

um torrão de terra

grávido de uma semente


mais elementares ainda


os sorrisos presos nos lábios

das crianças tristes

as lágrimas

rios de salgados

nos leitos dos rostos abandonados

nos lares/depósitos


falo porque

estou cansado de comer silêncio

e ler poemas de amor

com tanto desamor

a caminhar por aí


as coisas mais elementares

são as que deviam ocupar

o ventre das palavras por parir


© José-António Moreira 2012