FernandaGuadalupe

Fernanda Guadalupe
A noite inesperada


A noite inesperada

São apenas palavras 

Que trago no meu regaço 

Não receies. 

São apenas palavras que sinto 

São sinos que tocam 

Em mim 

Nesta inesperada noite. 


Como malmequeres 

Numa sinfonia. 

Como se fossem palavras 

Em flor, 

Cantadas. 

Não receies a sua música 

Nem o seu fulgor. 

Sou apenas eu. 


E neste momento 

Assim me mostro, 

Assim me mostro a ti. 

Terás que observar o céu 

E os traços das estrelas, 

E os caminhos desenhados 

Nos céus predestinados. 


É como um destino 

Que me aproxima de alguém, 

Como o destino de ti 

Como o destino de mim.


© José-António Moreira 2012