JesusRecioBlanco

Jesus Recio Blanco
Fado solidão


Fado solidão

Era um canto no fragor da tarde,

uma janela maior do que a noite,

uma parede sem eco,

uma rua a guardar todos os segredos.

 

Era a sombra do meu peito,

a chuva mole dos topázios,

o reflexo da lua,

o meu corpo coberto de folhas e espuma.

 

Era o grito dos espelhos,

o vento a pairar no vácuo,

a neve dormida,

o silêncio a alambicar palavras, todavia.


© José-António Moreira 2012