JoseCarlosSoares

José Carlos Soares
À porta batem cães


À porta batem cães

À porta batem cães, fantasmas

segredos no mais forte

dos olhos. Vê


por onde deixo

o meu destino, como se rasga

a pele e a impossível

perfeição regressa. Quem da alma


espalha seus insectos, no azul

silente desampara

a desvendada sombra. Quem


por minha perda

permanece, resume a litoral

magia dos sentidos.


© José-António Moreira 2012